BUSCAR
BUSCAR
Justiça
Expulso de restaurante em Natal após assoar o nariz, homem terá de pagar R$ 500 por agir de má-fé
Juiz entendeu que o homem que processou o restaurante causou constrangimento e repulsa aos demais clientes do estabelecimento

11/11/2020 | 09:25

O 2º Juizado Especial Cível de Parnamirim condenou por litigância de má-fé um cidadão que havia interposto ação de indenização por danos morais contra um restaurante situado no bairro do Alecrim, em Natal. Na sentença, o demandado teve seus pedidos rejeitados pelo órgão judicial e terá que pagar multa equivalente a 5% do valor da causa, o que dá aproximadamente R$ 500.

Conforme consta no processo, o homem que processou o restaurante alegou que, em agosto de 2019, teria passado por constrangimentos após assoar o nariz no interior do estabelecimento. Na ocasião, um funcionário ainda o teria ofendido e exigindo que ele “nunca mais voltasse àquele estabelecimento”.

Todavia, ao analisar o caso, o magistrado Flávio Amorim, do Juizado de Parnamirim, indicou que levou em consideração, dentre os elementos trazidos aos autos, as imagens da câmera de circuito interno do restaurante. E nessas imagens percebeu que o homem “assoou o nariz em direção ao chão do estabelecimento em pelo menos duas oportunidades, limpando suas mãos, após o ato, na toalha de mesa”, causando constrangimento e repulsa aos demais clientes e “até mesmo aos funcionários do restaurante que chegam a desviar o percurso em razão do comportamento do requerente”.

O magistrado frisou que os cuidados com a higiene “consigo e com o próximo, sobretudo em ambientes coletivos, são imprescindíveis para a saúde de toda coletividade”, e que esses deveres de urbanidade “não são só deveres de cunho consumerista, mas até mesmo cívico”.

Em relação ao momento em que o autor é repreendido por um funcionário do restaurante, o magistrado frisou que o material examinado não possui áudio para ouvir as conversas ocorridas no local. Mas, considerou que “os gestos corporais dos interlocutores não condizem com a tese autoral de que o funcionário teria apontado o dedo contra a sua face em tom intimidador ou vexatório”, mas na verdade, ao fim do diálogo, o autor é quem “se afasta do caixa apontando para o funcionário com tom intimidador”.

Dessa forma, o magistrado concluiu que diante da “falta de outras provas ou impugnações por parte do demandante”, como também “pela ausência de comprovação dos elementos constitutivos do direito pleiteado”, os pedidos do demandante não poderiam ser atendidos.

o juiz acrescentou que tal pedido de indenização se configuraria em um “enriquecimento não só sem causa, mas decorrente de ato ilícito praticado pelo requerente”, em razão da “violação manifesta daqueles deveres sociais mínimos” apresentados em seu comportamento.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.