BUSCAR
BUSCAR
Ação
Casa de Crivella e prefeitura são alvos de operação contra suposto esquema de corrupção
Operação é um desdobramento da Operação Hades, que ficou conhecida na mídia como "QG da Propina”, um suposto esquema de cobrança de propina para a liberação de pagamentos da Prefeitura do Rio de Janeiro
Redação/ O Globo
10/09/2020 | 08:37

Na manhã desta quinta-feira, 10, o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), foi alvo de mandados de busca e apreensão em sua casa e gabinete, endereços ligados ao ex-senador Eduardo Lopes e a Mauro Macedo, ex-tesoureiro da campanha de Crivella ao Senado também são alvos da ação. A operação é do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) e da Polícia Civil, por intermédio da Coordenadoria de Investigações de Agentes com Foro (Ciaf/PCERJ). Serão cumpridos 22 mandados de busca e apreensão expedidos pela expedidos pela desembargadora Rosa Maria Helena Guita, relatora do caso no Tribunal de Justiça. As informações são do O Globo.

A operação é um desdobramento da Operação Hades, que ficou conhecida na mídia como “QG da Propina”, um suposto esquema de cobrança de propina para a liberação de pagamentos da Prefeitura do Rio de Janeiro. Na primeira operação, dia 10 de março, foram alvos o ex-presidente da Riotur, Marcelo Alves, o irmão dele, Rafael Alves, e o empresário João Alberto Felippo Barreto, o João da Locanty, todos suspeitos de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Um carro da Polícia Civil deixou o Palácio da Cidade, em Botafogo, por volta de 7h20. Há uma equipe da Polícia Civil também no condomínio onde mora o prefeito Marcelo Crivella, na Península, na Barra da Tijuca. Crivella já saiu do prédio para cumprir agenda externa. O celular dele teria sido apreendido. Outra equipe está na sede da prefeitura, na Cidade Nova.

Eduardo Lopes foi senador do Rio de Janeiro pelo Republicanos, ao herdar o mandato de Crivella – que saiu para concorrer à Prefeitura do Rio, e foi secretário de Pecuária, Pesca e Abastecimento de Wilson Witzel.

Já Macedo foi tesoureiro da campanha de Crivella ao Senado, em 2008, e foi citado em uma delação sobre o esquema de propina envolvendo a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado, a Fetranspor.

Endereços residenciais e funcionais

As diligências estão sendo cumpridas em endereços residenciais e funcionais de agentes públicos municipais e empresários na capital, nos bairros da Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Tijuca, Flamengo, e em Itaipava e Nilópolis.

A operação é chefiada pela Suprocuradoria-Geral de Assuntos Criminais (Subcriminal/MPRJ) e pelo Grupo de Atribuição Originária Criminal da Procuradoria-Geral de Justiça (Gaocrim/MPRJ). Há ainda a participação de membros do Gaesf, Gaeco e Gaecc, bem como de agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ).

Segundo o MP, o procedimento policial está sob sigilo.

O GLOBO ainda não conseguiu falar com a defesa dos citados. Todo o material apreendido na operação desta quinta será levado para a Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA), na Cidade da Polícia, no Jacaré.

*Com informações do O Globo

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.