Declaração
“Nenhum indício de interferência na Polícia Federal”, diz Bolsonaro sobre vídeo de reunião ministerial
Gravação da reunião de 22 de abril foi divulgada por decisão do ministro Celso de Mello, do STF. Material está no inquérito que apura eventual interferência de Bolsonaro na PF
Por G1 - Publicado em 22/05/2020 às 18:50
Reprodução
Presidente ainda citou texto bíblico
Publicidade
O presidente Jair Bolsonaro afirmou em uma rede social nesta sexta-feira (22) que o vídeo da reunião ministerial de 22 de abril desmonta mais uma “farsa” e mostra que não há “indício de interferência na Polícia Federal”.

A gravação foi divulgada nesta sexta por decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). Celso derrubou o sigilo do vídeo da reunião ministerial, que, segundo o ex-ministro da Justiça Sergio Moro, prova que Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal.

Em 27 de abril, um inquérito foi aberto pelo STF, a pedido da PGR, para investigar as acusações de Moro e Celso de Melloo foi sorteado relator do caso. Bolsonaro nega ter interferido na corporação.

A decisão do ministro do STF de publicar vídeo foi tomada após Advocacia-Geral da União (AGU), Procuradoria-Geral da República (PGR) e Moro se manifestarem a respeito do tema.

A reunião ministerial de 22 de abril teve a participação do presidente Jair Bolsonaro, do vice, Hamilton Mourão, de Moro e outros ministros. Ao todo, participaram 25 autoridades.

Nesta sexta, após a divulgação do vídeo, Bolsonaro publicou em uma rede social trecho de 21 minutos e 20 segundos da reunião, junto com um comentário, no qual afirmou:

“Reunião Ministerial de 22 de abril / Mais uma farsa desmontada; Nenhum indício de interferência na Polícia Federal; João 8, 32 – “Conhecereis a verdade e verdade vos libertará”.

O trecho da reunião postado pelo presidente incluir fala na qual diz que pode interferir em ministérios e que reclama de não receber informações de inteligência da Polícia Federal.

Publicidade
Publicidade