BUSCAR
BUSCAR
Boicote
Mais cinco grandes marcas anunciam boicote ao Facebook
Campanha mundial ocorre porque, segundo organizadores, rede social faz muito pouco para coibir discursos de ódio em sua plataforma.
R7
01/07/2020 | 09:36

Só aumenta o número de grandes marcas que aderem à campanha contra o Facebook por causa de sua política de conteúdo que, segundo os organizadores do boicote, é conivente com discursos de ódio. Na terça-feira (30), as gigantes Adidas, HP, Pfizer, Volkswagen e Honda anunciariam que estão retirando os anúncios da rede social.

O boicote mundial já tem mais de 240 participantes e ganhou nesta semana nomes como Ford, Coca-Cola, Starbucks e Unilever. Segundo um levantamento da Federação Mundial de Anunciantes, um terço dos 58 principais anunciantes do mundo pretendem aderir ao boicote – no total, eles investem US$ 100 bilhões em marketing.

O movimento de boicote, que leva o nome Stop Hate for Profit, foi iniciado por grupos de direitos civis dos Estados Unidos após a morte do negro George Floyd, asfixiado por policiais em Minneapolis (EUA). Em uma carta aos anunciantes na quinta-feira (25), a Liga Anti-Difamação disse que o Facebook se recusou repetidamente a remover anúncios políticos que continham “mentiras flagrantes” e demorou a responder a pedidos de retirada de conteúdo conspiratório.

Inicialmente, a campanha é restrita aos Estados Unidos, mas deve se estender para o mundo inteiro. A Ford, segunda maior montadora de veículos norte-americana, ao anunciar segunda-feira (29) a adesão à Stop Hate for Profit, explicou que reavaliará sua presença em todas as plataformas de mídia social também em outras regiões. A empresa acrescentou que discurso de ódio, violência e injustiça racial no conteúdo das redes sociais “precisam ser erradicados”.

Os organizadores intensificaram a ação nos últimos dias por considerarem insuficiente a resposta do Facebook a postagens inflamatórias do presidente Donald Trump. Eles irão agora pedir às grandes empresas da Europa que se juntem ao boicote.

Reação do Facebook

O Facebook reconheceu que tem muito a fazer e afirma que irá desenvolver mais ferramentas para combater o discurso de ódio.

Na segunda-feira, a companhia afirmou que se submeterá a uma auditoria sobre como controlar o discurso de ódio.

O Media Rating Council (MRC), empresa de medição de mídia, conduzirá a auditoria para avaliar como o Facebook pode proteger os anunciantes de aparecerem ao lado de conteúdo nocivo.

O escopo e o cronograma da auditoria ainda estão sendo finalizados, disse o Facebook.

A rede social anunciou na semana passada que colocaria um aviso no conteúdo que viole suas políticas, mas a medida não satisfez os organizadores do boicote, que planejam mobilizar mais anunciantes globais para participar da campanha.

*Com informações de agências

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.