Auxílio Emergencial
Ministro admite prorrogar auxílio, mas com valor de R$ 200
Segundo o ministro, nesses termos seria possível alongar os pagamentos por mais um ou dois meses
Por Redação - Publicado em 20/05/2020 às 13:41
Nilton Fukuda / Estadão
Guedes rechaçou continuar pagando R$ 600
Publicidade
O ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu nesta quarta-feira (20) a possibilidade de prorrogar em “um ou dois meses” o auxílio emergencial que o governo federal está pagando a trabalhadores informais. Inicialmente, os valores seriam creditados por apenas três meses.

A condição, porém, é que o valor seja reduzido dos atuais R$ 600 para R$ 200 – como o governo queria inicialmente.

“Se voltar para R$ 200 quem sabe não dá para estender um mês ou dois? Os R$ 600 não dá”, disse Guedes durante reunião com empresários na terça-feira (19).

“O que a sociedade prefere? Um mês de R$ 600 ou três de R$ 200? É esse tipo de conta que estamos fazendo. É possível que aconteça uma extensão. Mas será que temos dinheiro para uma extensão a R$ 600? Acho que não”, afirmou o ministro.

Pagamento 

A Caixa Econômica Federal está efetuando, nesta quarta-feira (20/05), o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 para quase 7 milhões de brasileiros.

Recebem a segunda parcela 5 milhões de pessoas com conta Poupança Social, a começar pelos nascidos em janeiro e fevereiro. O saque em espécie só está permitido a partir do dia 30.

Outros 1,9 milhão de beneficiários do Bolsa Família com o NIS final 3 também recebem a segunda parcela.

*Com informações do Metrópoles

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Caixa começa a pagar 2ª parcela do auxílio
Aliados de Bolsonaro defendem prorrogação
Publicado calendário da 2ª parcela do auxílio
Um em cada três potiguares recebe auxílio
Publicidade
Publicidade