BUSCAR
BUSCAR
Educação
“Foco da educação tem que ser técnico”, diz Renato Feder, cotado para o MEC
Entre as pautas do secretário está o uso da tecnologia para o apoio escolar e nas universidades do país
CNN Brasil
24/06/2020 | 13:17

Em entrevista à CNN na manhã desta quarta-feira (24), Renato Feder, secretário de Educação do Paraná e um dos nomes cotados para assumir o Ministério da Educação, afirmou que o foco da educação no país tem que “ser mais técnico”. O secretário também disse que “se sentiria muito honrado” em aceitar o convite para assumir a pasta.

“Sobre essas questões [ideológicas] prefiro sempre focar em assuntos técnicos de aprendizado, apoio, de melhoria, diálogo com as secretarias e entender como elas podem dar um aprendizado melhor. O assunto que irei focar, caso eu vá para o ministério, é no aprendizado dos alunos nas escolas e nas universidades. Outros assuntos podem atrapalhar e tiram a atenção do que realmente importa, que é justamente o aprendizado dos alunos.

E acrescentou: “Se o convite vier, eu aceitaria com muita honra. O presidente Bolsonaro se mostrou uma pessoa muito preocupada [com a Educação] e minha admiração por ele aumentou ainda mais porque ele quer escolher uma pessoa que leve o Brasil para a direção certa. Se ele entender que essa pessoa poderia ser eu, me sentira muito honrado por fazer parte desta história”, disse.

Entre as pautas do secretário está o uso da tecnologia para o apoio escolar e nas universidades do país.

“Eu conversei muito [com Bolsonaro] sobre o que está acontecendo aqui no Paraná. Os professores deram um show na gestão da educação com ações práticas, tecnológicas e que o mundo já realiza. Você usa a tecnologia para ajudar os professores e a presença do aluno é um grande fator educacional para avaliarmos. O papel do MEC é de diálogo, apoio, de ver o que cada rede precisa, capacitação e gestão. Isso tem que ser o foco e olhar para frente”, afirmou.

Segundo o colunista da CNN, Igor Gadelha, o nome do secretário é defendido pela ala militar do governo, que considera o perfil dele como “técnico” – empresário do ramo da tecnologia, ele já foi professor de matemática e diretor de escola. 

Por outro lado, Feder é criticado, nos bastidores, por deputados federais bolsonaristas do Paraná. A crítica é principalmente à gestão dele à frente da secretaria estadual de Educação, considerada como “fraca”.

À CNN, três parlamentares paranaenses lembram que, em janeiro deste ano, o governador Ratinho Júnior (PSD) ordenou trocas na equipe de Feder para melhorar a gestão da pasta.

MP dos reitores

O presidente Jair Bolsonaro revogou na sexta-feira (12) a MP 979, medida provisória que permitia ao ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, nomear reitores para universidades, institutos federais e o colégio federal Pedro II, no Rio, sem consulta prévia à comunidade acadêmica durante a pandemia do novo coronavírus. A revogação foi feita por meio de uma nova medida provisória publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Na opinião do secretário, as leis “devem ser respeitadas” e a autonomia das universidades deve ser mantida.

“De maneira nenhuma pretendo intervir nas leis que o Congresso determina, elas estão aqui para serem respeitadas. Essa é uma orientação do presidente de que as universidades têm essa autonomia. Intervenção não vai acontecer e também não deveria nem comigo ou qualquer outra pessoa que assuma a pasta. (…) Ministério tem que apoiar as universidades”, concluiu Renato Feder.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.