BUSCAR
BUSCAR
Avanço do coronavírus
“Em abril o sistema de saúde entrará em colapso”, diz Mandetta
Ministro também afirmou que o país “já validou” e está fornecendo a cloroquina, medicamento que mostrou resultados promissores em testes para tratamento contra a covid-19
Redação
20/03/2020 | 17:52

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira (20) que até o final de abril o sistema de saúde brasileiro vai entrar em colapso pela epidemia do novo coronavírus. “Claramente, em final de abril nosso sistema de saúde entra em colapso. Colapso é quando você tem dinheiro, mas não tem onde entrar (nos hospitais)”, afirmou, Mandetta, ao lado do presidente Jair Bolsonaro. Eles participam de videoconferência com empresários sobre medidas de enfrentamento ao coronavírus.

As informações são do Estadão. O ministro disse que pretende atuar para tentar evitar esse provável cenário. “A gente está modelando para ver se trabalhamos com algumas interrupções, segurando o máximo dos idosos que são quem leva ao colapso do sistema”, afirmou. 

Mandetta disse que o padrão de transmissão do vírus é “muito competente”. De acordo com ele, a curva de transmissão do novo coronavírus ainda vai iniciar nos próximos 10 dias e o aumento de casos deve ter subida rápida em abril, maio e junho. O ministro previu a queda da curva de infecção só em setembro. “Mais difícil do que fechar um shopping é saber quando reabrir”, disse o ministro.

Cloroquina

O ministro também afirmou que o país “já validou” e está fornecendo a cloroquina, medicamento que mostrou resultados promissores em testes para tratamento contra a covid-19, para pacientes mais graves.

“Já validamos, temos capacidade de produção, já estamos produzindo e está na prateleira dos pacientes graves”, disse.

O medicamento é registrado no Brasil para tratamento de artrite, lúpus e malária. Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que, apesar dos resultados dos testes em relação a nova doença, “não existem estudos conclusivos que comprovam o uso desses medicamentos para o tratamento”.

Mandetta explicou ainda que 700 mil médicos devem ser convocados pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) pediu que os 2 mil médicos voluntários se apresentem ao aos conselhos regionais para serem convocados. “Estamos em todos os Estados com crescimento igual (do coronavírus) e isso nos preocupa, porque podemos ter uma epidemia em paralelo.”

Com o crescimento de casos de novo coronavírus no Brasil, o governo federal tem discutido os cenários para enfrentar a epidemia com a indústria de produtos para saúde. Na projeção mais pessimista, com quadro similar ao que ocorre na Itália, a ideia é instalar até 20 mil novos leitos para atender pacientes do vírus. O número foi apresentado em reuniões recentes do Ministério da Saúde e do gabinete de crise instalado no Planalto.

O governo e o setor de saúde têm tentado encontrar soluções para montar estas estruturas. Até agora, o governo só anunciou a contratação de equipamentos para montar 2 mil leitos. Os Estados também têm aberto espaços por conta própria. Nesta sexta-feira, 20, o ministério publicou portaria para custear — diária de R$ 800 — 2.540 leitos, que são a soma do previsto até aqui pelo governo Bolsonaro e o já instalado pelos governadores.

Os leitos de UTI funcionam com cama, monitor multiparamétrico (para medir sinais vitais), bomba de infusão, oxímetro de pulso e respirador, entre outros produtos. Para chegar ao número máximo de leitos, o governo já avalia usar hospitais de campanha e até requisitar espaços da rede privada.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.