BUSCAR
BUSCAR
Rebateu
‘Sem saúde, não há economia’, diz Guedes no dia em que Bolsonaro xinga de ‘idiota’ quem pede vacina
Ministro deu declaração em vídeo ao lado do relator da PEC Emergencial. Nesta quinta, Bolsonaro disse que 'tem idiota' que pede compra de vacinas e acrescentou: 'Só se for na casa da tua mãe'

04/03/2021 | 19:11

O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu em vídeo divulgado nesta quinta-feira (4) vacinação em massa contra a Covid-19 e “a saúde em primeiro lugar” porque “sem saúde, não há economia”.

Segundo a assessoria do ministro, a gravação foi feita nesta quinta, mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro xingou de “idiota” quem defende a compra de mais vacinas e acrescentou: “Só se for na casa da tua mãe” – veja mais abaixo.

No vídeo, Guedes aparece ao lado do senador Márcio Bittar (MDB-AC), relator da proposta de emenda à Constituição conhecida como PEC Emergencial, aprovada pelo Senado nesta quinta. Na gravação, o ministro comemora a aprovação do texto.

“Nós precisamos de saúde, emprego e renda. Primeiro, a saúde. Sem saúde, não há economia. E, da mesma forma, a vacinação em massa é o que vai nos permitir manter a economia em funcionamento”, afirma Guedes no vídeo.

Paulo Guedes, Ministro da Economia

“Essa é a nossa pauta e nós vamos enfrentar esse desafio terrível que nós estamos enfrentando com a mesma coragem, a mesma determinação e a mesma cooperação de sempre”, acrescentou o ministro.

Bolsonaro

Mais cedo, nesta quinta, o presidente Jair Bolsonaro afirmou em Uberlândia (MG) que “tem idiota” que pede ao governo que compre mais vacinas contra a Covid-19.

Em seguida, o presidente acrescentou: “Só se for na casa da tua mãe. Não tem [vacina] para vender no mundo.”

Também nesta quinta, Bolsonaro afirmou em uma viagem a Goiás que é preciso “enfrentar os problemas”.

No discurso, também disse que “chega de frescura, de mimimi” e questionou: “Vão ficar chorando até quando?”.

Governadores

O colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti informou que, nesta quinta, governadores de 14 estados enviaram uma carta a Bolsonaro na qual pediram que o governo federal adote medidas e procure organismos internacionais a fim de adquirir mais doses de vacinas.

Os governadores alegam no documento que estão no “limite” e que a vacinação em massa “é a alternativa que se afigura como a mais recomendável, e, provavelmente, a única capaz de deter a pandemia”.

“Neste momento, há novas, reais e importantes justificativas para que o Brasil obtenha, com celeridade, novas remessas de imunizantes, a principal delas é a chegada e a rápida disseminação, já no estágio de transmissão comunitária, da nova variante P1, que tem se revelado ainda mais letal, prejudicando os esforços para proteger a vida de nossas cidadãs e cidadãos, bem como de suas famílias”, afirmam os governadores no documento.

“O mundo acompanha com preocupação o rápido avanço do contágio por essa variante no Brasil, o que torna o bloqueio da disseminação desse tipo de vírus matéria de interesse de diversas nações, inclusive porque outras variantes podem dela advir”, acrescentaram.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.