BUSCAR
BUSCAR
Críticas
Sandro Pimentel cobra explicações sobre erros no Hospital de Campanha
Deputado estadual cobra da Prefeitura do Natal respostas sobre a apuração de supostas ações de negligência no atendimento de pacientes da unidade hospitalar
Redação
09/07/2020 | 22:28

As revelações feitas pelo Blog do Dina de que os pacientes internados no Hospital de Campanha de Natal podem estar sofrendo com negligência médica levou ao Deputado Sandro Pimentel (PSOL) fazer duras críticas a gestão que o prefeito Álvaro Dias faz na unidade. Em pronunciamento no plenário da Assembleia Legislativa na última terça, 07, o deputado historiou os problemas encontrados no hospital.

Para Sandro, a urgência para o atendimento dos pacientes com Covid-19 não pode servir de justificativa para erros grosseiros. E que é responsabilidade da Prefeitura capacitar os profissionais de saúde para atuar na unidade. O deputado do PSOL lembrou ainda as polêmicas que envolvem o Hospital de Campanha. Em maio, foi revelado que a prefeitura de Natal contratou por R$ 18,6 milhões a empresa T&N Serviços em Saúde Ltda. para fornecer mão de obra terceirizada para atuar no hospital de Campanha, sendo que uma das sócias dessa empresa era esposa do cunhado e sócio do prefeito Álvaro Dias.

Em junho, o Ministério Público Estadual e Federal emitiram uma recomendação conjunta para que a prefeitura de Natal respeite a fila de pacientes por leitos no hospital de Campanha, seguindo a regulação definida pela Secretaria Estadual de Saúde (SESAP). O Conselho municipal de Saúde denunciou a Prefeitura por fraude na fila vagas nos leitos da unidade A recomendação vê, inclusive, indícios de favorecimento eleitoral na prática.

O Ministério Público do Rio Grande do Norte á havia aberto procedimento de inquérito para apurar eventual improbidade administrativa pela Prefeitura de Natal por ter veiculado propaganda informando que o hospital de campanha estava funcionando, quando ainda não tinha condições de receber pacientes.

“A urgência e necessidade de criação de leitos para a Covid-19 não pode servir de justificativa para que erros sejam cometidos. E a matéria do Blog do Dina deixa muito claro que muitos erros estão sendo cometidos no local, o que pode até ter sido crucial para óbito de pacientes. Isso é muito grave. O prefeito Álvaro Dias é sim responsável pelo que acontece nas unidades de saúde de Natal e precisa responder pelos erros de funcionamento no hospital de campanha. A vida dos natalenses primeiro, a sua eleição vem depois.”, afirmou o deputado.

Durante a sessão ordinária por Sistema de Deliberação Remota (SDR) da Assembleia Legislativa, desta quinta-feira (09), o deputado estadual Sandro Pimentel (PSOL) fez um pronunciamento onde solicitou ao Governo do Estado e ao Comando da Polícia Militar que as aulas do curso de formação de aperfeiçoamento de sargentos, que estão acontecendo atualmente no formato EAD (Ensino a Distância), não retomem presencialmente como está programado para acontecer no próximo dia 14 de julho.

Conforme o parlamentar, na última quarta-feira (08), foi elaborado um boletim interno onde constava que as aulas virtuais aconteceriam até o dia 13 de julho. No dia 14, portanto, as aulas retornariam de forma presencial.

“É importante dizer que esse curso tem cerca de mil alunos. Como o estado vai fazer aula presencial com mil alunos? Faço aqui uma sugestão de que não retome esse curso de forma presencial agora. Deixemos que os grupos de estudo se posicionem sobre isso, mesmo porque, não está havendo qualquer prejuízo das aulas como estão sendo feitas.”, falou.

Ele disse ainda que o RN está no ápice da pandemia e as aulas presenciais podem prejudicar a saúde das pessoas e ao mesmo tempo levar a doença para dentro de casa. “Faço esse apelo ao Governo do Estado. Não precisa se precipitar”, encerrou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.