BUSCAR
BUSCAR
Prêmio
Quanto ganha um atleta que conquista medalha na Olimpíada 2021?
Embora o Comitê Olímpico Internacional não pague prêmios em dinheiro aos medalhistas, muitos países oferecem recompensas monetárias a seus atletas
Exame
02/08/2021 | 15:51

As Filipinas conquistaram a primeira medalha olímpica do país nesta semana, quando a levantadora de peso Hidilyn Diaz conquistou o primeiro lugar em sua modalidade nos Jogos de Tóquio. Como recompensa por sua conquista considerada histórica, Diaz receberá um prêmio de 33 milhões de pesos filipinos, o equivalente a US$ 600.000 da Comissão Esportiva das Filipinas e de empresários do país. Também foram oferecidas a ela duas casas e voos grátis para toda a vida, de acordo com relatos.

Embora o Comitê Olímpico Internacional não pague prêmios em dinheiro aos medalhistas, muitos países oferecem recompensas monetárias a seus atletas pelo número de medalhas que eles ganham nas Olimpíadas. Separamos um levantamento feito pela CNBC com o valor recebido por medalhistas de 12 países, a partir dados compilados de vários comitês olímpicos nacionais, associações esportivas, bem como do site de finanças pessoais Money Under 30.

Bônus de medalha olímpica

Veja quanto dinheiro os atletas recebem por terminar no pódio

Por que alguns atletas ganham mais

Mais de 600 atletas dos EUA estão competindo nas Olimpíadas de Tóquio. Até agora, os americanos conquistaram 11 medalhas de ouro, 11 de prata e 9 de bronze. O Comitê Olímpico e Paraolímpico dos EUA recompensa os atletas com US$ 37.500 para cada medalha de ouro conquistada, US$ 22.500 para prata e US$ 15.000 para bronze. A maior parte desse prêmio em dinheiro não é tributável, a menos que os atletas relatem uma renda bruta superior a US$ 1 milhão.

Os atletas dos EUA também recebem outras formas de benefícios, incluindo seguro saúde, acesso a instalações médicas de primeira linha e assistência para mensalidades universitárias.

Em comparação, Cingapura recompensa seus medalhistas de ouro quase 20 vezes mais do que os jogadores dos EUA (US$ 737.000). Em compensação, a cidade-estado levou apenas 23 atletas para Tóquio. O dinheiro do prêmio é tributável e os premiados são obrigados a devolver uma parte às associações esportivas nacionais para treinamento e desenvolvimento futuro.

A economia esportiva nos EUA permite que os atletas monetizem melhor seus talentos, já que a maior parte é impulsionada pelo setor privado. Em lugares como Cingapura, Índia, entre outros, muitas das iniciativas esportivas nacionais são conduzidas pelo governo, que usam recompensas monetárias mais altas para fortalecer uma cultura esportiva, de acordo com Unmish Parthasarathi, fundador e diretor executivo da consultoria Picture Board Partners à CNBC.

A Malásia também tem boas recompensas para seus vencedores olímpicos. Os atletas que ganham o ouro recebem 1 milhão de ringgit (US$ 236.149), enquanto os vencedores da prata recebem 300.000 ringgit e 100.000 para os que ficarem em terceiro lugar. Em dólares, um vencedor de bronze olímpico da Malásia receberá uma recompensa de desempenho maior do que um vencedor de ouro da Austrália ou Canadá, por exemplo.

Como os atletas ganham dinheiro

Além de receber recompensas monetárias e não monetárias de seus países pela conquista de medalhas, os atletas olímpicos contam com outras fontes de receita para seus empreendimentos esportivos.

Atletas de países maiores e mais competitivos recebem salários ou bolsas de treinamento de suas associações esportivas nacionais. Os melhores desempenhos recebem prêmios em dinheiro ao vencer torneios nacionais e internacionais. Outros recebem salários regulares por terem vários empregos.

Alguns, como o jogador de badminton dos EUA Zhang Beiwen, supostamente dependeram de financiamentos coletivos para bancarem a viagem para Tóquio. A maioria dos atletas da equipe dos EUA não é representada por agentes esportivos e alguns não têm patrocinadores, de acordo com um relatório da Forbes.

Outros muitos atletas podem conseguir financiamentos multimilionários ou acordos de patrocínio, antes mesmo de competir nas Olimpíadas. A estrela do Tênis Naomi Osaka, por exemplo, ganhou US$ 55 milhões com patrocínios em 12 meses, sendo eleita a atleta feminina mais bem paga de todos os tempos.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.