BUSCAR
BUSCAR
Entrevista
“Natal tem um dos piores transportes públicos do país”, avalia vereador
Ao avaliar a gestão do prefeito Álvaro Dias (PSDB), o vereador aponta falhas em vários setores. Além do sistema de transporte ser de péssima qualidade, afirma que a gestão é viciada
Redação
19/07/2020 | 21:55

O vereador Maurício Gurgel (PV) avalia que a capital potiguar tem hoje um dos piores sistemas de transporte público do Brasil. Ao avaliar a gestão do prefeito Álvaro Dias (PSDB), o vereador aponta falhas em vários setores. Além do sistema de transporte ser de péssima qualidade, ele afirma que a gestão é viciada.

“O prefeito contratou uma consultoria de R$ 1,5 milhão para dar um choque de gestão e não fez qualquer mudança na administração pública”, lembra, se referindo ao contrato com a Fundação Dom Cabral.

Apesar disso, Gurgel não deixa de ressaltar pontos positivos de Álvaro Dias: “O que está salvando o prefeito é o dinheiro que ele conseguiu para Natal em Brasília. Natal não tem capacidade de investimento e ele buscou recursos extras”, ressalva.

Sobre as eleições deste ano, Gurgel destaca que o PV terá candidato a prefeito – o empresário Carlo Alberto Medeiros. Ele avalia que se é para sair da Câmara o candidato a vice na chapa de Álvaro Dias, o nome mais credenciado é o da atual vice-presidente da Casa, vereadora Nina Souza (PDT). Confira a seguir sua entrevista.

AGORA RN – Qual foi o papel da Câmara Municipal desempenhado até agora na Pandemia?

MAURÍCIO GURGEL – A Câmara devolveu R$ 1 milhão para a Prefeitura durante a pandemia, fruto de economia, principalmente nas verbas indenizatórias dos vereadores e tem uma comissão de acompanhamento das ações do Covid. Fiscalizando contratos, como por exemplo o da T&N, empresa de familiares do prefeito, onde felizmente ele voltou atrás e cancelou o contrato.

AGORA – Na sua opinião, em relação à Covid-19, o pior já passou?

MG – Falando a nível local, tivemos uma redução nesta última semana. Nós esperamos muito que o pior já tenha passado, mas é difícil fazer previsões. Espero que tenhamos a consciência de que essa doença é perigosa, precisamos ficar atentos e mantendo as precauções necessárias. Ainda existe muita dúvida e muitos questionamentos em relação à Covid-19, portanto não vamos subestimar jamais essa doença.

AGORA – Em relação à economia, qual avaliação o senhor faz dos efeitos dessa crise?

MG – Infelizmente a pandemia está causando um arraso na economia. Um impacto imensurável, onde empresas estão falindo, o desemprego crescendo e o aumento significativo da dívida pública, causando consequências dolorosas na economia durante muitos anos. O que também me preocupa muito é quando o auxílio emergencial chegar ao fim, com uma economia desaquecida e a falta de emprego e oportunidade.

AGORA – Qual a avaliação que você faz da gestão do prefeito Álvaro dias?

MG – Acho que a gestão do prefeito deixa a desejar, Natal tem um dos piores transportes públicos do Brasil, uma administração pública viciada. O prefeito contratou uma consultoria de R$ 1,5 milhão para dar um choque de gestão e não fez qualquer mudança na administração pública. Eu inclusive já cobrei o resultado dessa consultoria e nada. Nas demais áreas, n[os não percebemos avanços. Agora tenho que admitir que o que está salvando o prefeito é o dinheiro que ele conseguiu para Natal em Brasília. Natal não tem capacidade de investimento e ele buscou recursos extras.

AGORA – Como estão as discussões do seu partido, o PV, para eleição proporcional e majoritária?

MG – No Partido Verde nós temos o pré-candidato mais preparado para assumir a Prefeitura de Natal, o professor Carlos Alberto Medeiros, mas sabemos que apenas isso não basta para ganhar a eleição. Creio que no período eleitoral, através dos debates e da apresentação do plano de governo, sua candidatura irá alavancar. Na proporcional temos 43 pré-candidatos, bons quadros, e deveremos eleger dois vereadores, dobrando assim o número de cadeiras do partido na Câmara de Natal.

AGORA – Como o senhor analisa essa discussão que existe de indicação do vice de Álvaro? Você concorda que esse nome deve sair da Câmara Municipal?

MG – Olha, é normal quando um candidato está em primeiro nas pesquisas, que a indicação de vice seja muito disputada. Mas lembro que nem sempre o favorito ganha o jogo. Em relação ao vice sair da Câmara, eu acho que deve ser o caminho. Se eu fosse de um partido com nove vereadores, incluindo o presidente da Câmara, como é o caso do PDT, eu não abriria mão de indicar o vice.

AGORA – Quem dos vereadores, em sua opinião, tem mais credencial para ser indicado o vice de Álvaro?

MG – Eu acho que se o vice for mesmo da Câmara, um bom nome seria o da vereadora Nina Souza, somos de lados diferentes, mas considero uma parlamentar séria, comprometida e qualificada.

AGORA – Em relação ao seu mandato, o que você tem de prestação de contas?

MG – Eu estou no exercício do 3º mandato. O nosso mandato é de posição, é participativo e independente, pautado principalmente em defesa de causas sociais e das minorias. Então estamos sempre fiscalizando os atos do executivo em primeiro lugar. Nesta semana mesmo convocamos a secretária de Educação para prestar esclarecimentos do uso do dinheiro da merenda escolar, que não estava sendo utilizado na aquisição de cestas básicas, onde o próprio executivo enviou um projeto para a Câmara autorizando transformar o recurso da merenda na aquisição de cestas para os 58 mil alunos. Tivemos notícias positivas. Estamos acompanhando as pessoas em situação de rua durante a pandemia, e elaborando emendas para corrigir injustiças no projeto da Reforma da Previdência. São muitas pautas. Então é um trabalho árduo e contínuo na busca por melhorias para a nossa cidade.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.