BUSCAR
BUSCAR
Desabafo
‘Não tinha recurso para a grade’, diz mãe de criança que caiu de prédio
Sofia Barbosa, de 3 anos, caiu do 3º andar de um prédio em Osasco (SP), foi levada a hospital com traumatismo craniano e morreu na segunda 31
Redação
01/09/2020 | 16:07

A mãe da criança de três anos que caiu do terceiro andar de um prédio em Osasco, região metropolitana de São Paulo e morreu após ficar três dias internada afirmou que não tinha dinheiro para instalar a grade de proteção na janela do apartamento. A tragédia ocorreu na manhã do sábado 29.

Maricélia Santos Coelho, mãe de Sofia, de 3 anos, vive no Condomínio Flor de Jasmin, no bairro Conceição, em Osasco. No momento do acidente, a criança dormia quando a mãe a deixou sozinha por alguns instantes para buscar uma encomenda na portaria do prédio. 

“Não quero mais morar naquela casa, tudo lá me lembra a Sofia. A cor da parede foi a Sofia que escolheu. Queria alugar lá para pegar o dinheiro e ajudar com a despesa dos meus outros filhos”, afirmou Maricélia.

A mãe afirma que ambas assitiram filmes durante a madrugada. No dia seguinte, Maricélia levaria a filha para comer um lanche. Ela conta, porém, que tinha apenas metade do dinheiro necessário, por isso, desceu com alguns produtos para vender. 

Ao voltar, Maricélia recebeu a notícia de que a filha havia caído da janela do 3º andar. “Ela dormia um sono profundo, tinha um sono bem pesado”, afirma. A mãe de Sofia afirma que não havia grade ou rede de proteção porque estava desempregada e sem recursos financeiros para pagar pela instalação. “Não entendo porque minha filha acordou naquele momento”, diz ela.

“Todos os recursos que eu tinha eram para meus quatro filhos. Tudo que eu conseguia era para repor coisas para meus filhos comerem. Quem quiser me julgar, me julga, mas para me apontar, só Deus”, afirmou Maricélia.

A mãe de Sofia afirmou que ao voltar para o apartamento foi avisada que a menina havia caído de uma escada. Mas, ao se aproximar de casa, viu que se tratava da filha, que havia caído da janela. 

“O Samu demorou para chegar, minha filha falou comigo. Vi que ela saiu com vida e faliu comigo: ela dizia ‘mamãe, mamãe'”, disse Maricélia. A mãe de Sofia afirma que foi levada para ao encontro da filha no pronto scorro com o síndico do prédio.

*Com informações do R7

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.