BUSCAR
BUSCAR
Sugestão
Guedes diz que sobra de comida em restaurantes poderia ir para pobres
Em evento com representantes de supermercados, ministro da Economia defendeu que país busque alternativas para combater o desperdício de alimentos em toda a cadeia produtiva
O Globo
18/06/2021 | 15:02

O ministro da Economia, Paulo Guedes, comparou o tamanho do prato de um brasileiro de classe média ao de um europeu para ilustrar o tamanho do problema do desperdício de alimentos no país. Para ele, há falhas ao longo de toda a cadeia produtiva e o país precisa sanear esses problemas. Uma alternativa aventada por ele é a distribuição das sobras de alimentos de restaurantes aos mais pobres e vulneráveis.

– Você vê um prato de um classe média europeu, que já enfrentou duas guerras globais, são pratos pequenos. E os nossos aqui, nós fazemos o almoço onde às vezes há uma sobra enorme, e isso vai até o final, que é uma refeição da classe média alta, até lá há excesso.

Para o ministro, é preciso pensar em soluções para usar as sobras nos restaurantes. Essas medidas são encadeadas com políticas de assistência social.

– Com toda aquela alimentação que não foi adicionado durante aquele dia no restaurante, aquilo dá para alimentar pessoas fragilizadas, mendigos, desamparados. É muito melhor do que deixar estragar essa comida toda, que estraga diariamente na mesa das classes mais altas brasileiras, e também o desperdício ao longo de toda a cadeia produtiva – afirmou.

As declarações de Paulo Guedes foram feitas durante o Fórum Cadeia Nacional de Abastecimento, organizado pela Associação Brasileira dos Supermercados (Abras), que também contou com a participação dos ministérios Tereza Cristina (Agricultura) e João Roma (Cidadania). O tema do desperdício de alimentos foi bastante debatido, e Tereza Cristina sugeriu a criação de um grupo interministerial, entre as três massas, para discutir soluções para esse problema, que passariam pela ampliação de prazos de validade dos alimentos e novas regulamentações para permitir doações.

– Não pode o celeiro do mundo ser um país onde há fome. Do nosso lado, nós temos que fazer as políticas sociais que acontecem que os mais frágeis e vulneráveis ​​sejam incorporados à cadeia produtiva ou amparados socialmente, os que assim não puderem ser integrados. Mas, de qualquer forma, nós notamos o desperdício no Brasil, não só desde lá da produção, durante o transporte, mas até chegar no nosso supermercado e até chegar nas nossas mesas – requer Guedes.

A ministra Tereza Cristina defendeu que é importante tratar do tema desperdício e conectar com o mapa da fome. Ela sugeriu que, para a parte regulatória, seja julgada uma meta para discutir o que considerou como exageros da legislação brasileira.

– Me coloco à disposição para criar um grupo na Agricultura e interministerial para andar celeremente com esse assunto, que é importantíssimo. A pandemia trouxe esse tema de maneira muito perceptível, e temos de agir – afirmou, sugerindo um prazo de 15 dias para apresentar propostas.

Guedes concordou com uma sugestão da ministra, ponderando que a solução definitiva pode demorar mais para ser escolhido.

– É oportuno embutir isso nas políticas sociais. Pode ser parte desse programa que vamos lançar, uma parte jurídica ou de regularização, ou até desregulamentação – comentou, fazendo referência à reformulação do programa Bolsa Família.

O ministro defendeu que seja facilitada a conexão entre políticas sociais e ações contra o desperdício, fazendo com que esses alimentos sejam canalizados para programas sociais e endereçados aos mais necessitados.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.