BUSCAR
BUSCAR
Transporte
Greve dos rodoviários continua este fim de semana, só com 40% da frota
Categoria cobra pagamento de vale-alimentação e plano de saúde, benefícios que estão suspensos desde o início da pandemia do novo coronavírus. Sindicato das empresas alega que pagamento do plano de saúde já está assegurado e que negocia valor do vale-alimentação. Em nota, disse que paralisação tem motivação eleitoral e política
Redação
24/10/2020 | 05:05

A greve dos motoristas e cobradores de ônibus de Natal, iniciada nesta sexta-feira 23, vai continuar durante o fim de semana. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (Sintro), apenas 40% da frota estará circulando em Natal.

Os rodoviários cobram das empresas de ônibus o pagamento do vale-alimentação e do plano de saúde, benefícios que foram suspensos no início da pandemia do novo coronavírus. Na semana passada, houve audiências na Justiça do Trabalho, mas os rodoviários não chegaram a um acordo com os patrões.

Alternativos também param

Além dos motoristas e cobradores de ônibus, os permissionários do transporte alternativo aderiram ao protesto nesta sexta. Eles pararam de rodar e, em protesto, fecharam pela manhã trechos das avenidas Rio Branco e Deodoro da Fonseca, nas imediações do viaduto do Baldo.
À tarde, a categoria fechou o cruzamento das avenidas Bernardo Vieira e Salgado Filho. A interrupção impediu o fluxo de veículos do principal cruzamento viário da capital potiguar. Os motoristas do transporte alternativo reclamam que nem todos os opcionais recebem cartões de passagem, o que dificulta o atendimento aos passageiros – que só podem pagar a viagem com dinheiro.

A categoria alega ainda que houve redução nos valores entregues para quem presta o serviço. Eles afirmaram que, caso o Seturn não modifique o sistema de rateio, novas paralisações serão feitas já na próxima segunda 26.

Seturn diz que greve “pune” a sociedade

O Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros (Seturn) afirmou, em nota, que a greve dos rodoviários “pune” a sociedade ao forçar a” inobservância de protocolos sanitários de prevenção à Covid-19”.

Segundo o Seturn, na última audiência de conciliação, foi assegurado o pagamento do benefício do plano de saúde e solicitada a suspensão da greve até o dia 29 para negociar o valor do vale-alimentação e outros benefícios. No entanto, não houve acordo.

Para o Seturn, “a intransigência do Sintro em não aceitar a continuidade das negociações revela o cunho político da manifestação, pois qualquer ajuste que fosse realizado somente seria objeto da folha de pagamento de outubro, em 9 de novembro”. O Seturn alega ainda que a crise causada pela pandemia tem dificultado a concessão de benefícios.

As empresas de ônibus também repudiaram o que classificaram como “ato de terrorismo praticado pela Transcoop Natal (transporte alternativo), que bloqueia vias públicas com o objetivo de prejudicar ainda mais a população natalense”. “As questões quanto a forma de distribuição das vendas do vale transporte é objeto de aprovação regular de assembleia sindical, onde teve assento a própria Transcoop — que não se opôs à metodologia de rateio”, diz o sindicato das empresas de ônibus, chamando o movimento de “político e eleitoreiro”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.