BUSCAR
BUSCAR
Economia
Frutas entram em cena para ajudar exportações do RN em setembro
Com a safra de melões e melancias já buscando seus meses de pico, os embarques dessas frutas puxaram, como acontece todos os anos, as exportações do mês, seguido por tecidos de algodão
Marcelo Hollanda
10/10/2020 | 05:17

Em setembro, o Porto de Natal quebrou seu recorde na movimentação de cargas, atingindo a marca histórica de 107,6 mil toneladas, sendo que a média mensal é entre 35 a 40 mil toneladas.

No mesmo mês, as exportações do Rio Grande do Norte cresceram 1,8% em relação a setembro de 2019, quase que dobrando as de agosto deste ano, segundo divulgou nesta sexta-feira 9 o Centro Internacional de Negócios da Federação da Indústria (Fiern).

Com a safra de melões e melancias já buscando seus meses de pico, os embarques dessas frutas puxaram, como acontece todos os anos, as exportações do mês, seguido por tecidos de algodão e outros produtos de animais impróprios para alimentação humana.

No acumulado de janeiro a setembro, no entanto, ainda segundo a Fiern, as exportações ficaram 18,5% menores que as do ano passado, considerando os itens regulares da pauta. Melões, sal, fuel oil, melancias, tecidos de algodão e peixes foram os produtos com maiores valores exportados no período, respectivamente.

Já as importações cresceram 10,2% e a corrente de comércio ficou 8,4% menor que no mesmo período de 2019.

No Brasil, tanto as exportações como as importações de uma maneira geral caíram no mês passado. Em setembro, o País vendeu US$ 18,459 bilhões, recuando 9,1% pelo critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado. Já as importações caíram mais, somando US$ 12,296 bilhões, redução de 25,5% também pela média diária.

Com o resultado de setembro, a balança comercial acumula superávit de US$ 42,445 bilhões nos nove primeiros meses do ano. Esse é o segundo melhor resultado da série histórica para o período, perdendo para janeiro a setembro de 2017 (superávit de US$ 53,258 bilhões).

No acumulado de 2020, as exportações somam US$ 156,780 bilhões, retração de 7% na comparação com o mesmo período de 2019 pela média diária. As importações totalizam US$ 114,336 bilhões, recuo de 14% pelo mesmo critério.

A maior parte da alta do saldo em setembro é explicada pela queda da importação da indústria de transformação, que recuou US$ 181,35 milhões pela média diária em relação ao mesmo mês do ano passado, e da indústria extrativa, cujas compras do exterior encolheram US$ 18,32 milhões.

Do lado das exportações, as vendas da indústria de transformação caíram US$ 108,01 milhões. Em contrapartida, as vendas da indústria extrativa subiram US$ 19,65 milhões, e as vendas da agropecuária aumentaram US$ 5,38 milhões na mesma comparação.

Entre os produtos que puxaram o crescimento das exportações agropecuárias em setembro, os destaques foram o café não torrado, cujo valor vendido aumentou US$ 2,453 milhões no critério da média diária em relação ao mesmo mês do ano passado, e os animais vivos, com alta de US$ 1,3 milhão na mesma comparação.

Na indústria extrativa, subiram as exportações de minério de ferro, com alta de US$ 48,4 milhões em relação a setembro do ano passado pela média diária, motivadas tanto pelo aumento da demanda como pela alta no preço internacional.

As exportações de óleos brutos de petróleo, no entanto, continuam a cair e encerraram o mês passado com queda de US$ 29,98 milhões. Nesse caso, a queda deve-se tanto à queda do preço internacional como do volume de demanda por causa da pandemia de covid-19.

Na indústria de transformação, as maiores quedas foram registradas em plataformas de petróleo (-US$ 71,27 milhões pela média diária), óleos combustíveis de petróleo (-US$ 11,54 milhões) e tabaco (-US$ 8,62 milhões).
Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2019 em US$ 48,035 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima menor volume de comércio em 2020, por causa da pandemia do novo coronavírus. No entanto, a retração das importações em ritmo maior que a das exportações elevou as projeções de saldo.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.