BUSCAR
BUSCAR
Reflexo
Eleição nos EUA: como o resultado da apuração vai influenciar a economia brasileira
O economista Fábio Astrauskas, CEO da Siengen, coloca destaque no meio ambiente
Gazeta do Povo
05/11/2020 | 17:37

Caracterizada pela acentuada polarização, a atual eleição presidencial dos EUA deixa o mundo em expectativa para a conclusão das apurações. Para o Brasil, a definição do nome que comandará a Casa Branca nos próximos quatro anos pode significar mais ou menos proximidade no campo ideológico, mas não deve influenciar com força as relações comerciais entre os dois países.

Segundo analistas ouvidos pela Gazeta do Povo, o pragmatismo característico dos EUA deve manter as pontes já construídas. Entretanto, ajustes de rota podem ser feitos no caso de uma eventual mudança de administração republicana para democrata, com uma vitória de Joe Biden sobre Donald Trump na eleição dos EUA.

Na avaliação do economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, a questão mais premente aqui seria a ambiental. “O que eu imagino que venha a ser feito em um governo Biden é a recolocação de exigências ambientais, nos termos que já eram acordados alguns anos atrás.

O que para o Brasil, num primeiro momento, pode ser desconfortável, mas o país sempre esteve muito bem nesse cenário: o Brasil sempre teve o agronegócio bem visto no exterior, então eu acredito que é capaz de se reafirmar como grande exportador de carnes, de alimentos, de minério de ferro, de tudo que a gente exporta, mas dentro de uma agenda ambiental mais adequada”, avalia o especialista. “Pode ser dolorido para o governo”, pondera, ao rememorar o posicionamento ideológico da gestão de Jair Bolsonaro, “mas acho que para o país é positivo”.

O economista Fábio Astrauskas, CEO da Siengen, também coloca destaque no meio ambiente. Segundo ele, “o Brasil terá que rever a sua política de proteção da Amazônia para se inserir como um país competitivo no ambiente comercial” se o resultado da eleição nos EUA colocar os democratas na presidência.

Recentemente, em evento da Amcham Brasil, o ex-embaixador dos Estados Unidos para o Brasil Michael McKinley fez avaliação similar, ao afirmar que uma eventual vitória de Biden não anularia acordos firmados com o país. Segundo McKinley, “já existem fundações fortes entre o Brasil e os EUA que não vão desaparecer com uma mudança na Casa Branca”.

Durante o período de campanha, Joe Biden apontou chance de retaliação ao Brasil em relação a questões ambientai, entretanto o diplomata destaca que esse tipo de pressão não se daria apenas por parte do governo norte-americano, mas também de outros integrantes da comunidade internacional e de investidores. “Desde o começo do ano, os fundos de investimento internacionais, que somam um valor de mais de 3 trilhões de dólares, mandaram uma advertência ao Brasil sobre a preservação da Amazônia, e a União Europeia também já sinalizou boicote ao acordo comercial”, destacou McKinley.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.