BUSCAR
BUSCAR
Destaque
Rio Grande do Norte se consolida como maior exportador de atum do Brasil e ganha prestígio no exterior
Atualmente 70% das capturas da pesca industrial - atum, meca e lagosta - no RN vão para exportação
IG
02/09/2021 | 16:26

Com a pandemia do coronavírus e as restrições das atividades econômicas em muitos países, o Rio Grande do Norte se destacou ainda mais nas exportações de atum nos últimos tempos, por ser um dos peixes mais demandados pelos consumidores internacionais. Em 2021 a produção potiguar – até o fim do mês de julho – foi de 2.500 toneladas. Desse total, 1.700 toneladas foram para exportação, principalmente para os Estados Unidos.

Atualmente, 70% das capturas da pesca industrial – atum, meca e lagosta – no RN vão para exportação e 30% ficam no mercado interno. De 1 de Janeiro a 31 de Julho de 2021 a produção gerou um montante de aproximadamente US$ 20 milhões de dólares. 14 milhões dos peixes e 6 milhões das lagostas. No ano passado a produção total representou um faturamento de aproximadamente 9 milhões de dólares. Ou seja, nesse ano o desempenho foi 2 vezes melhor que em 2020.

A evolução no setor no RN é explicada diante do aumento de empresas de pequeno e médio porte com o crescimento de embarcações trabalhando especificamente na pesca do atum. Uma dessas é a Martuna Pescados, empresa potiguar, que atua no mercado há quatro anos, com uma produção média de 10 toneladas por mês. O empresário Marcelo Martini admite que os resultados desse ano o surpreenderam. “A produção foi sensacional e a procura também. Trabalhamos duro, mas conseguimos gerar empregos, mesmo em meio a uma pandemia, e diante de uma forte crise econômica. Hoje, temos 20 colaboradores e, além de exportar para os EUA, também comercializamos para São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte”, destaca.

A Martuna

A empresa faz a captura e o beneficiamento e comercializa pescados nobres. A pesca é feita pela modalidade Espinhel Horizontal, tendo como foco a pesca oceânica – de forma sustentável. Os barcos são equipados com tecnologia de última geração, operando na zona econômica exclusiva brasileira, como também em águas internacionais.

Rio grande do norte se consolida como maior exportador de atum do brasil e ganha prestígio no exterior
 

Sobre a pesca no Brasil

Com o esgotamento dos recursos pesqueiros costeiros, a principal alternativa para o desenvolvimento do setor pesqueiro nacional, excetuando-se a aqüicultura, reside na pesca oceânica, voltada para a captura de atuns e peixes afins. Tanto que mesmo com entraves, como falta de mão-de-obra especializada, tecnologia e embarcações adequadas, ainda existem vantagens para essa modalidade. Entre elas, a localização geográfica. As frotas operando a partir de portos brasileiros alcançam cardumes mais rapidamente, enquanto que países com tradição pesqueira, como Japão, Taiwan, Coréia, Espanha e Portugal são obrigados a viajar mais de 20.000 km para atingir áreas de pesca.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.