BUSCAR
BUSCAR
Pleito
Clima acirrado esquenta as eleições suplementares em Passa e Fica, no Agreste Potiguar
Ex-prefeito Celú Lisboa tenta manter o poder da família há 20 anos contra a professora Cibelly Fonseca
Redação
22/01/2019 | 17:23

Com a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em cassar o mandato do prefeito Léo Lisboa (PSD) e agendar uma eleição suplementar em Passa e Fica, no Agreste Potiguar, o clima anda quente literalmente. A disputa pela prefeitura local está acirrada, como aconteceu nos dois últimos pleitos.

O sistema liderado pelo ex-prefeito Pepeu Lisboa lançou o sobrinho Celú Lisboa, que já foi prefeito da cidade, mas saiu com salários atrasados. A oposição que em 2016, conseguiu 48,44% dos votos, lançou agora a professora Cibelly Fonseca. Todo o grupo de oposição que apoiou a governadora Fátima Bezerra nos dois turnos e conseguiu a vitória em Passa e Fica, caminha juntos.

A família Lisboa não conseguiu derrotar a governadora em Passa e Fica em nenhum torno. O candidato dos Lisboa, o ex-prefeito Carlos Eduardo e só conseguiu transferir 47,69% dos votos. Em 2016, o prefeito cassado Léo Lisboa só venceu com 233 votos de maioria, ou seja, 3%, sinalizando um desgaste de mais de duas décadas, já que desde 1996, o ex-prefeito Pepeu Lisboa comanda a cidade se alternando com seus sobrinhos.

Até o dia 3 de fevereiro, a campanha vai se intensificando nas ruas e comunidades rurais. Passa e Fica tem hoje mais de 8 mil eleitores aptos as urnas. A governadora Fátima Bezerra (PT) já sinalizou a participação no palanque da professora Cibelly Fonseca e vai aumentar a pressão do caldeirão. A família Lisboa foi adversária ferrenha de Fátima no 2º Turno, quando tentou mostrar sua hegemonia nas urnas locais.

Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.