BUSCAR
BUSCAR
Imunização
Brasil acelera vacinação e supera média de 1 milhão de doses diárias
Junho teve aumento de 57,9% das doses aplicadas em comparação a maio, mas entregas baixas em julho podem ameaçar ritmo
R7
10/07/2021 | 14:25

Quase seis meses depois do início da vacinação contra covid-19, o Brasil acelerou a campanha na metade final de junho e agora chegou à meta pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, de um milhão de doses aplicadas por dia , o que se repetiu 18 vezes no mês passado.

O período também foi marcado pela primeira vez que mais de duas milhões de pessoas foram vacinadas em 24 horas, o que aconteceu no dia 17 de junho, com 2.259.621 doses aplicadas. Ao todo, junho teve uma aplicação de 32.501.815 de doses, aumento de 57,9% em relação ao que foi processado em maio.

O aumento, visto nos dados oficiais do Ministério da Saúde a partir de 15 de junho, ocorrido junto com a queda do número de mortes e casos por covid-19 , observado também no mês de junho.

A tendência da vacinação e pandemia, porém, ainda pode mudar para pior em julho. Especialistas citam a chegada da variante Delta do novo coronavírus, que já tem transmissão comunitária no país , e o baixo número de vacinados com uma segunda dose como os principais motivos.

“Alguns estados dos EUA, por exemplo, coberturas até maiores que a nossa segunda dose a acabaram tendo aumento do caso em função da variante Delta “, diz o epidemiologista e professor do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Guilherme Werneck.

“Não dá para saber se o Delta vai se espalhar no Brasil porque esses outros países não têm a prevalência da variante Gamma [P1] , mas a gente realmente está vulnerável a um aumento do número de casos e óbitos”, completa, alertando para os altos níveis de transmissão da covid, que podem propiciar novas variantes ainda mais transmissíveis do que já existentes.

Contra a Delta, a antecipação dessa segunda dose já é estudada em estados com transmissão comunitária, mas esbarra na falta de vacinas para uma população em geral. “Para você antecipar você precisa ter gente, local e vacina disponível, o que nossa rede de vacinação, apesar de ser boa, não conseguiu superar essa lacuna”, opina o presidente da SBI (Sociedade Brasileira de Infectologia), Marcos Cyrillo.

O país ainda pode ter que se desdobrar para manter o ritmo com número praticamente igual de vacinas entregues ao mês passado. Neste mês, o cronograma do Ministério da Saúde prevê a chegada de 40.435.120 de doses, somadas como remesssas da Pfizer, Astrazenca, CoronaVac. No mês passado, foram entregues 39.967.810 vacinas.

Além disso, as doses ainda dependem da disponibilidade de IFA (ingrediente farmacêutico ativo) para a produção, o que fez a vacinação oscilar entre maio e abril . Todas as quatro entregas previstas no cronograma, que chegarão do Instituto Butantan, Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), Covax Facility e Pfizer, são transitadas pelo cronograma do governo como “pendentes de confirmação” dos laboratórios por este problema.

O próprio ministro Queiroga afirmou, durante a sessão da CPI da Covid, que a falta de insumos preocupava a pasta nos meses de julho e agosto . “Nós temos um volume de vacinas muito grande no último trimestre do ano, e nosso objetivo é antecipar. O ponto de maior vulnerabilidade é o mês de julho e o mês de agosto. Depois, teremos um aporte de vacina muito grande”, disse aos senadores .

Aliado contra isso está a chegada possível das vacinas da Johnson, de dose única . Pouco mais de 4,8 milhões de doses da marca chegou em junho, por doação dos EUA e antecipação da farmacêutica, o que não era previsto e antecipar a campanha.

Da parte do Butantan e FioCruz, pelo menos, a falta de IFA não deve se repetir nas próximas semanas. O produtor laboratório da Coronavac anunciou a chegada de 12 mil litros no final de junho, o que deve garantir a produção de 10 milhões de doses. Já a FioCruz garante que com os insumos já estão garantidas as entregas até 23 de julho.

Procurado pelo R7 sobre a possibilidade de faltar insumos para a produção das doses que chegarão do exterior (Covax Facility e Pfizer), o Ministério da Saúde não respondeu.

Enquanto isso, o governo federal corre para garantir a imunização dos grupos prioritários, que contam com somente 14% da sua população completamente imunizada contra a cobertura depois da segunda aplicação da vacina ou da dose única.

O número baixo deve começar a nas próximas semanas, quando se completar o prazo de três meses de aplicação das segundas doses da Astrazeneca e da Pfizer. O epidemiologista Guilherme Werneck pontua, no entanto, para as altas taxas de brasileiros em grupos prioritários que ainda não voltaram para uma segunda dose.

Entre as pessoas com mais de 80 anos ou entre 70 e 79 anos, as taxas dos que não voltaram para garantir a imunização estavam até o final de junho em 82 estão em 12%, segundo levantamento da UFRJ.

“Você precisa ter estratégia de repescagem para essa população, que é extremamente vulnerável. Se o juntando isso cria condição de manter um nível de transmissão comunitária”, explica.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.