BUSCAR
BUSCAR
Cotas

Aprovado no Senado, projeto de cotas raciais em concursos públicos está parado na Câmara

STF decidiu prorrogar legislação anterior devido a indefinição do Congresso
Redação
23/06/2024 | 07:27

O Congresso tinha um prazo de dez anos para avaliar e decidir sobre o programa de cotas em concursos públicos. Isso era o que definia a lei 12.990, que reserva uma cota racial de 20% das vagas em concursos públicos federais, sancionada em 2014.

Mas, passada uma década, apenas o Senado fez a discussão de um novo projeto visando substituir a lei de cotas. Mesmo assim, o projeto só foi aprovado no dia 22 de maio deste ano, menos de 20 dias para o fim da validade de cotas.

Projeto está parado na Câmara aguardando despacho do presidente Arthur Lira (PP-AL) Arquivo / Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados
Projeto está parado na Câmara aguardando despacho do presidente Arthur Lira (PP-AL) Arquivo / Foto: Mário Agra/Câmara dos Deputados

Extensão judicial

A norma, que perderia a validade no último dia 10 de junho, acabou sendo prorrogada na Justiça. Com a justificativa de indefinição do Congresso na discussão do tema, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino, decidiu pela prorrogação da validade da lei de cotas em concursos públicos até que o Congresso Nacional aprove uma nova norma em relação ao tema.

O projeto, porém, está parado na Câmara aguardando despacho do presidente Arthur Lira (PP-AL). A proposta ainda não tem relator nem foi designada para as comissões.

Recentemente, a deputada Carol Dartora (PT-PR) realizou uma audiência pública na comissão de legislação participativa para analisar o texto aprovado no Senado. Para a deputada, a Câmara deve ter urgência para discutir o texto.

“A pressa se justifica pela urgência em garantir a vida digna dessas populações. Cotas não são caridade, mas sim reparações e ferramentas para a construção de uma sociedade livre do racismo”, disse a deputada. Para ela, “o projeto de lei é fundamental para garantir um serviço público mais plural e proporcionar reparação àqueles que foram privados de acesso à educação, serviços e condições básicas de existência”.

Mudanças no Senado

O novo texto aprovado pelo Senado para substituir a antiga lei amplia de 20% para 30% as cotas para pessoas pretas e pardas, indígenas e quilombolas em concursos públicos do governo federal.

Os senadores aprovaram que o Poder Executivo tem dez anos para promover a revisão do programa de cotas a partir da data de publicação da nova lei.

Autodeclaração

O texto aprovado pelos senadores afirma que serão consideradas pretas ou pardas as pessoas que assim se autodeclaram, e deverá haver processo de confirmação padronizado nacionalmente, com garantia de recursos e exigência de decisão unânime do colegiado responsável.

No caso dos indígenas, serão consideradas as pessoas que se identificarem como parte de uma coletividade indígena e forem reconhecidas por ela, mesmo que não vivam em território indígena. Os quilombolas, serão considerados aqueles que se identificarem como pertencentes a grupo étnico-racial com trajetória histórica própria e relações territoriais específicas, com presunção de ancestralidade negra.

Nos casos de denúncias de fraude ou má-fé na autodeclaração, o projeto cita que “o órgão ou a entidade responsável pelo concurso público ou pelo processo seletivo simplificado instaurará procedimento administrativo para averiguação dos fatos, respeitados os princípios do contraditório e da ampla defesa”.

Com informações da CNN Brasil

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Lula prometeu cumprir arcabouço fiscal em conversa com ministros: “Não abro mão”
Segundo o ministro das Relações Institucionais, presidente disse que regra ajuda a ampliar investimentos no país e recuperar políticas sociais
12/07/2024 às 20:15
Investigados mentiram para proteger Bolsonaro em caso das joias, diz PF
Depoimentos trouxeram informações erradas sobre a localização, movimentação e destino dos itens desviados do acervo público
12/07/2024 às 18:26
STF realiza audiência de custódia de presos no caso Abin
Segundo a PF, agência foi usada para favorecer filhos de Bolsonaro
12/07/2024 às 15:22
George Soares toma posse como Conselheiro do TCE na próxima quarta-feira
Vaga pertence ao quadro de indicados pela Assembleia Legislativa e estava aberta desde a aposentadoria do Conselheiro Tarcísio Costa
12/07/2024 às 15:13
Salatiel de Souza e Homero Grec oficializam pré-candidaturas em Parnamirim
Evento da pré-chapa ocorrerá no Boungaville Recepções nesta segunda-feira 12
12/07/2024 às 11:55
Paulinho Freire tem condição de vitória e fará grande governo, afirma ACM Neto
Vice-presidente do União Brasil visitou RN ontem para lançamento de guia para ajudar na elaboração de planos de governo
12/07/2024 às 07:59
Câmara aprova PEC da Anistia, que reduz cota para negros nas eleições
Projeto tramitou por mais de um ano com pouquíssimo debate público e só teve oposição do PSOL e do Novo; texto segue agora para o Senado
11/07/2024 às 21:59
‘Intenção de rompimento democrático’, diz Randolfe sobre monitoramento ilegal da Abin
O líder do governo no Congresso Nacional, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), consta na lista de autoridades que foram monitoradas ilegalmente pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin)
11/07/2024 às 20:02
Câmara aprova destinação de 5% de emendas parlamentares a catástrofes
Nos dois turnos, proposta teve votos de apoiadores do governo e da oposição, além de encaminhamento favorável de todas as bancadas partidárias
11/07/2024 às 15:19
“Não vi como bronca”, diz Márcio Macêdo sobre cobrança de Lula
Presidente pediu ao ministro mais participação em reuniões
11/07/2024 às 11:51