BUSCAR
BUSCAR
Economia
Aposentados do INSS vão receber R$ 1,2 bilhões em atrasados da Justiça Federal; saiba mais
Dinheiro para pagar as RPVs (Requisições de Pequeno Valor) referentes a julho foi liberada nesta segunda 23 Salvar para ler depois
Agora São Paulo
24/08/2021 | 14:00

Os aposentados que venceram o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) em ações na Justiça e tiveram os atrasados de até 60 salários mínimos liberados pelo juiz da causa em julho vão receber os valores em breve.

A grana para o pagamento das chamadas RPVs (Requisições de Pequeno Valor), de até R$ 66 mil neste ano, foi liberada pelo CJF (Conselho da Justiça Federal) nesta terça-feira 23. Ao todo, são R$ 1,178 bilhão para liquidar 62.971 processos, com 78.633 beneficiários.

O dinheiro é destinado a quem processa o INSS e ganha ação de concessão ou revisão de benefícios como aposentadorias, pensões e auxílios, incluindo a renda assistencial, como é o caso do BPC (Benefício de Prestação Continuada), sem que haja possibilidade de recurso.

Em geral, quem abre uma ação de pequeno valor, chamada de RPV, recebe em até dois meses após a sentença do juiz. Com isso, quem teve o atrasado liberado em julho deve conseguir sacar o dinheiro entre o final do mês de agosto e o início do mês de setembro.

Veja quando vale a pena abrir mão dos atrasados para receber a grana antes.

Para os segurados de São Paulo e Mato Grosso do Sul foram liberados R$ 187,5 milhões, que vão liquidar as dívidas em 7.723 processos, beneficiando 9.203 segurados do INSS. A consulta de quem terá os valores pode ser feita no site do TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), que atende os dois estados.

O beneficiário deve acessar o site www.trf3.jus.br. Na página inicial, é preciso ir em “Requisições de pagamentos”, do lado direito da tela. Depois, é só clicar em “Consultas por OAB, Processo de origem, Ofício Requisitório de origem ou Número de protocolo” e ir em Enviar. Na tela seguinte, informe os dados solicitados e clique em “Pesquisar”.

Para receber neste lote, é preciso que o atrasado tenha uma data referente ao mês de julho. No campo “Procedimento”, deve estar escrito RPV. Se aparecer PRC, significa que a dívida supera 60 salários mínimos e é um precatório.

Segundo o TRF-3, o processamento dos valores, que corresponde à abertura de contas na Caixa Econômica Federal e no Banco do Brasil, já começou. Com isso, a previsão é fazer os depósitos a todos que têm direito até a próxima segunda-feira 30.

Os precatórios federais a serem pagos em 2022 podem sofrer alterações. O motivo é que o governo alega não ter grana para quitar os valores previstos em Orçamento.

No entanto, equipe de Paulo Guedes (Economia), afirma que não haveria prejuízo para quem recebe RPVs, por se tratar de valores de até 60 salários mínimos. Já quem tem direito a um montante maior poderia até mesmo ver o seu atrasado parcelado.

A PEC (proposta de emenda à Constituição) dos precatórios já foi enviada ao Congresso. Superprecatórios, de mais de R$ 66 milhões, seriam parcelados em dez vezes: um pagamento no ano oficial da quitação da dívida e as demais parcelas nos nove anos seguintes.

Neste ano, o governo liberou mais de R$ 17 bilhões para pagar precatórios alimentares em todo o país. Desse total, 9,6 bilhões foram para pagar os atrasados do INSS, o que inclui também benefícios assistenciais como o BPC (Benefício de Prestação Continuada). Por lei, essa grana é paga uma vez por ano.

Para 2022, o governo federal prevê pagar R$ 89,1 bilhões em dívidas com todo o país. Deste total, R$ 15,7 bilhões são para os precatórios previdenciários e R$ 10,5 bilhõe são de gastos com servidores. Com o aumento nas despesas, a intenção do ministro da Economia, Paulo Guedes, é deixar de pagar parte dos valores.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.