BUSCAR
BUSCAR
Avaliação dos 100 dias
“Governo Bolsonaro tem lista extensa de maldades”, afirma Natália Bonavides
Deputada disse que gestão tem estimulado o racismo, violência contra as mulheres, indígenas, população LGTBQi, movimentos sociais, e, ainda, desprezado os direitos humanos
Redação
12/04/2019 | 04:00

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) completou nesta semana 100 dias, e para a deputada federal pelo PT no Rio Grande do Norte, Natália Bonavides, a gestão tem sido das piores. Em avaliação do até então curto mandato presidencial, a deputada criticou as pautas principais que estão sendo defendidas, principalmente a da reforma previdenciária.

“Em 100 dias de governo, Bolsonaro mostrou a que veio: atacar os direitos, a soberania nacional e a democracia. O projeto de reforma da previdência (PEC 06/2019) destrói a aposentadoria do povo brasileiro, penaliza os mais pobres e beneficia empresas que seguem lucrando e devendo à previdência”, criticou a petista ao Agora RN.

Para Natália, a gestão de Bolsonaro tem estimulado o racismo, a violência contra as mulheres, os indígenas, a população LGTBQi, os movimentos sociais, e, ainda, desprezado os direitos humanos. “Ele também não esconde sua intenção de sufocar as políticas de educação e saúde, sucateando o MEC e criando dificuldades para a permanência de médicos no país”, avaliou.

Por fim, a ex-vereadora de Natal, eleita deputada no ano passado com 112 mil votos, listou outras três ações do governo federal que, segundo ela, precisam ser debatidas e derrotadas no Congresso. “Posse de armas, envolvimento com milícias, corrupção e desemprego… é imensa a lista de maldades. Derrotá-las é uma tarefa para todos que se preocupam com o futuro do país”, concluiu.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.