BUSCAR
BUSCAR
Nado artístico
Dueto Fla-Flu adapta rotina fora d’água para conquistar vaga olímpica
Estudos e até dança embalam treino caseiro durante a quarentena
Agência Brasil
21/06/2020 | 11:03

Há várias formas de dimensionar o tamanho de um Fla-Flu. A mais famosa citação do cronista Nelson Rodrigues sobre o clássico é que ele surgiu “40 minutos antes do nada”. O premiado escritor uruguaio Eduardo Galeano também faz menção ao embate histórico na obra-prima Futebol ao sol e à sombra. O confronto é cantado, até mesmo, por um de seus participantes. “No Fla-Flu é o ai, Jesus!”, diz um trecho do hino rubro-negro.

A cultura poliesportiva de ambos os clubes faz com que seus representantes também se cruzem em outros campos, na terra ou na água – muitas vezes, estando no mesmo lado. Caso do nado artístico, que até julho de 2017 tinha o nome de nado sincronizado. Tradicionais na modalidade, o campeão brasileiro Flamengo e o vice Fluminense formaram a base da seleção nos Jogos Pan-Americanos de Lima (Peru) e no Mundial de Esportes Aquáticos de Gwangju (Coreia do Sul), no ano passado. Além disso, o dueto que vem treinando para disputar vaga na Olimpíada de Tóquio (Japão) tem, justamente, uma atleta de cada agremiação.

Aos 24 anos, Luísa Borges é a metade tricolor do dueto Fla-Flu. Não que seja exatamente uma novidade. Em 2016, a nadadora do Fluminense representou o Brasil nos Jogos do Rio de Janeiro (Rio 2016) com Duda Miccuci, do Flamengo. “Ser uma do Flamengo e a outra do Fluminense não atrapalha nada, até porque a gente quer a mesma coisa e torce pela mesma vitória. Tive outros duetos com meninas do Flamengo. Brincadeira sempre acontece, mas é saudável e tudo bem”, diz Luísa à Agência Brasil.

Quatro anos depois, a parceira é outra, mas segue rubro-negra e de sobrenome Micucci. Irmã de Duda, Laura Miccuci virou titular do dueto em julho, substituindo Maria Clara Lobo. Também do Flamengo, Lobo testou positivo no Mundial para a substância furosemida, diurético vetado pela Agência Mundial Antidoping (Wada). Com apenas duas semanas de treino, a dupla já caiu na água para disputar o Pan. O quarto lugar em Lima foi bem vindo. “Foi um desafio grande, mas sempre foi um objetivo meu [chegar ao dueto]. O resultado ajudou muito na nossa confiança”, conta Laura, de 19 anos, à Agência Brasil.

Elas terão pela frente o pré-olímpico de nado artístico, de 4 a 7 de março do ano que vem, na própria capital japonesa. A disputa seria em abril, mas foi adiada devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que também postergou os Jogos para 2021. O dueto precisará ficar entre os sete melhores da seletiva para se classificar à Olimpíada. Um dos desafios até lá será afinar o entrosamento. Apesar do tempo curto, a dupla não acredita que isso será complicado.

“Eu já conhecia a Luísa porque ela fazia dueto com a minha irmã. A gente se aproximou quando entrei para a seleção adulta e passamos a fazer parte da mesma equipe. Agora que entrei no dueto, a relação aumentou e tudo flui”, afirma Laura. “Como ela já estava treinando com a gente há um tempo, o entrosamento aconteceu de forma natural. Nosso objetivo é o mesmo, obter um bom resultado para o Brasil, então, conseguimos juntar forças”, completa Luísa.

“Nadando” sem piscina

A pandemia da covid-19 forçou Luísa e Laura a se adaptarem a uma rotina difícil para quem depende da água para treinar e competir. “A gente está se reinventando”, explica Twila Cremona, técnica do dueto, à Agência Brasil. “As meninas têm se encontrado muitas vezes na semana, por videoconferência. Temos feito a marcação da coreografia fora d’água, cada uma em sua casa. Os preparadores do COB (Comitê Olímpico do Brasil) passam atividades físicas diariamente a elas. Estamos fazendo também a zala, que consiste em exercícios de flexibilidade e alongamento referentes ao nado, e até aula de dança”, detalha.

Como diz o filósofo romano Juvenal, mens sana in corpore sano (mente sã, corpo são). Segundo a técnica, o período longe da piscina serve também para as duas atletas aprimorarem a parte teórica. “Temos estudado a coreografia, o que podemos melhorar, analisando os adversários e isso tudo está sendo válido. Tem o lado negativo, que é estarmos paradas há muito tempo e o retorno será complicado. Mas, olhando o copo meio cheio, isso está servindo para nos unir e melhorarmos juntas”, analisa Twila, que conhece bem as duas pupilas: treinadora de Luísa no Fluminense, ela foi uma das primeiras a trabalhar com Laura quando a jovem, mais nova, ainda nadava pelo Tricolor.

A volta às atividades presenciais é uma incógnita, pois depende de liberação das autoridades sanitárias da cidade e do estado do Rio de Janeiro. “Temos o nosso protocolo, mas, obviamente, é preciso estar alinhado com outros. Precisamos ver como será o protocolo do COB para retorno ao Maria Lenk [Centro de Treinamentos do Time Brasil) e acompanhar as ordens judiciais. Faremos tudo com a máxima responsabilidade”, garante à Agência Brasil o supervisor de Nado Artístico da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Maurício Pradal.

Longe das piscinas desde março, o dueto Fla-Flu aguarda a liberação das atividades na água. “Nunca fiquei tanto tempo fora da piscina. Sinto muita vontade de ter essa rotina de treino, até porque estávamos em um ritmo pesado, tempo integral, para competir no pré-olímpico. Estava muito focada e sigo focada”, afirma Luísa. “Acredito que o fato de cada uma estar em sua casa na quarentena ajuda para que o processo não demore tanto. Temos o objetivo de conseguir essa vaga e buscar uma final olímpica”, completa Laura.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.