BUSCAR
BUSCAR
No plenário
VÍDEO: Na CPI, reverendo chora durante depoimento e se arrepende: “Tenho culpa, sim”
Amilton de Paula foi autorizado pelo Ministério da Saúde a negociar vacinas da AstraZeneca em nome do governo brasileiro
Metrópoles
03/08/2021 | 16:32

O reverendo Amilton Gomes de Paula afirmou, nesta terça-feira 3, que “tem culpa, sim” nas supostas irregularidades envolvendo as negociações entre o Ministério da Saúde e a Davati Medical Supply para aquisição bilionária de doses de vacinas contra a Covid-19.

O religioso disse que se arrepende de ter participado das tratativas. Amilton de Paula, que fundou a Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), uma organização sem fins lucrativos (ONG), teria sido autorizado pelo Ministério da Saúde a negociar vacinas da AstraZeneca em nome do governo brasileiro.

Veja o momento em que o reverendo pede perdão e chora:

O reverendo também é apontado como intermediário das tratativas entre o Ministério da Saúde e a Davati Medical Supply, que ofertou doses de vacinas ao governo federal. Ele foi provocado por senadores de oposição e da base aliada ao governo federal.

Amilton chorou ao responder o senador Marcos Rogério (DEM-RO) sobre o envolvimento da Senah nas negociações.

“Eu queria trazer vacina para o Brasil. Eu tenho culpa, sim, eu peço desculpa ao Brasil, o que eu cometi não agradou aos olhos de Deus. Peço perdão aos senadores”, disse emocionado.

Revendo Amilton conversa com advogado na CPI
CPI da Covid Reverendo Amilton de Paula 3
CPI da Covid ouve o reverendo Amilton de Paula
CPI da Covid Reverendo Amilton de Paula
Reverendo Amilton de Paula na CPI da Covid
Vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues
Contradições

O depoimento do reverendo foi marcado por contradições. Ele não soube explicar, por exemplo, as inúmeras diferenças entre os valores ofertados ora pela Senah, ora pela Davati.

Segundo o religioso, a primeira proposta da empresa norte-americana era de US$ 3,50 e, posteriormente, passou para US$ 17,50. Por fim, a companhia teria ofertado as doses de vacina por US$ 11.

Randolfe, no entanto, mostrou um documento oficial da Davati, datado de 5 de março deste ano, cuja o preço estabelecido por imunizante seria de US$ 10. Em carta enviada nove dias depois, o reverendo dizia ao então secretário-executivo do Ministério da Saúde Élcio Franco que as vacinas custaria US$ 11 por dose.

A diferença de US$ 1 por unidade é justamente o mesmo valor da suposta propina que teria sido cobrada por Roberto Ferreira Dias nas tratativas entre a Senah, Davati e a pasta.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.