BUSCAR
BUSCAR
Política

Vereadores lamentam ataques e pedem união entre os poderes

Parlamentares citam prejuízos para economia da capital e defendem emprego das Forças Armadas no Estado
Redação
18/03/2023 | 09:49

A onda de ataques a prédios públicos, ônibus urbanos, transportes escolares e estabelecimentos comerciais que vem acontecendo desde a última terça-feira 14 em Natal e em mais cerca de 40 cidades potiguares tem sido acompanhada com atenção pelos vereadores da capital. Eles pregam união entre os poderes para a solução dos problemas, lamentam os prejuízos para a economia da capital e citam, inclusive, o emprego das Forças Armadas na segurança no Rio Grande do Norte.

Para o vereador Kleber Fernandes (PSDB) os ataques refletem de forma muito negativa para a imagem da capital potiguar, trazendo prejuízos principalmente para o comércio e turismo. Ele lembra que, em razão dos crimes em série, pacotes turísticos estão sendo cancelados, aulas estão suspensas e empresários estão perdendo patrimônio, além de vários serviços públicos municipais que estão paralisados.

montagem
Kléber Fernandes (PSDB), Hermes Câmara (PTB), Aldo Clemente (PSDB), Heberth Sena (PSDB), Klaus Araújo (sem partido)

O vereador critica o Governo do Estado na condução da Segurança Pública e defende que seja realizada uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em todo o Estado, com emprego das Forças Armadas para contenção da violência que tem assolado o território potiguar. “É um momento de união de todos os entes públicos. Acho que o Governo Federal deve ser um aliado primordial desse processo, inclusive eu defendo que seja garantido o restabelecimento da lei e da ordem, conforme preceitua a nossa Constituição Federal, com envio de tropas militares não só da Força Nacional, mas o Exército para as ruas, para que a gente possa voltar a ter uma sensação de segurança. Essa medida de trazer as Forças Armadas é algo urgente e necessário para a nossa cidade”, defende o tucano.

Ele também propôs que seja editado um decreto proibindo a venda de combustíveis em vasilhames, como forma de minimizar os incêndios que têm sido provocados por criminosos. “Todos nós que somos agentes políticos temos a obrigação e o dever de acompanhar, de dar suporte e de buscar medidas efetivas clamando que haja, de fato, essa união entre os poderes e que em breve a gente possa ter a paz restabelecida”, declara o vereador.

UNIÃO. O vereador Aldo Clemente (PSDB) avalia a situação como “gravíssima” e lamenta as perdas que os cidadãos natalenses vêm enfrentando. Ele espera que os governos federal, estadual e municipal se unam na busca por soluções que tragam de volta a normalidade. O parlamentar disse ainda estar preocupado com os efeitos danosos da violência para o turismo da cidade. “O turismo é uma grande mola para desenvolver Natal, envolve mais de 50 atividades interligadas e está parado, está esvaziado em Natal”, lamenta Aldo Clemente.

Ele afirma ainda que uma das soluções para o problema da insegurança passa pela federalização do sistema penitenciário no Brasil. “Quem deveria tomar conta do sistema penitenciário era o Governo Federal, que é quem tem mais condições, mais organização, mais dinheiro no bolo tributário. Com certeza isso traria uma melhor distribuição e organização dos presídios nos Estados”, acrescenta.

O vereador Klaus Araújo defende que o Governo do Estado e a Prefeitura do Natal se unam e criem uma linha de crédito para os comerciantes que comprovarem prejuízos em razão dos ataques criminosos que ocorreram em Natal. Ele pede ainda agilidade na emissão de licenciamentos pelos entes públicos para que os cidadãos voltem a trabalhar o mais rápido possível.

Já o vereador Herberth Sena (PSDB) também conclamou a união entre os poderes. Ele afirma que esse não é o momento de apontar culpados, mas sim de unir forças e cada um dar sua contribuição em prol do bem comum. “A gente tem que unir forças com todos os poderes e buscar uma solução, não apontar o Governo a Prefeitura, não apontar culpados. E o que eu vejo dos poderes é a desunião. Então a minha fala é que a gente possa buscar a união dos poderes, somar forças e traçar rumos de paz para o nosso Rio Grande do Norte e para a nossa cidade”, salienta o parlamentar.

Sena cobrou ainda participação da Prefeitura do Natal, por meio do aparato de segurança de que a gestão municipal dispõe, na contribuição de soluções para os problemas de ordem pública que ocorrem na capital. “A Prefeitura pode contribuir e muito, porque na greve da polícia, no passado, quem deu todo o suporte foi a Guarda Municipal e conteve, naquele momento, as ações criminosas. Quando eu falo em unir, a guarda também faz um papel muito importante, porque hoje nós temos uma guarda mais qualificada, bem equipada, mais preparada e junto com a polícia e todas as forças de segurança ela pode contribuir com tudo isso”, defende.

Herberth Sena lamentou ainda os prejuízos para o turismo e consequentemente para a economia do Rio Grande do Norte. Ele lembra que o turismo é a principal atividade econômica da cidade e que muitas famílias estão sendo afetadas pela falta de uma perspectiva de melhorias na segurança pública.

O vereador e vice-presidente da Câmara Municipal de Natal (CMN), Hermes Câmara (PTB), afirma que todos os vereadores estão de prontidão por determinação do presidente da Casa, Eriko Jácome (MDB), para ajudar no que for necessário para restabelecer a paz na capital. Ele destacou o trabalho que a Prefeitura vem desenvolvendo no sentido de contribuir com a segurança dos natalenses. “A Prefeitura vem contribuindo através da Guarda Municipal, da STTU, colocando as ambulâncias do SAMU de prontidão. A gente sabe que a questão da segurança é dever do Estado, mas a Prefeitura também vem dando
sua resposta”, destaca Hermes.

Ele destaca ainda o “prejuízo emocional” para a população diante dos ataques criminosos, além do desfalque econômico que esses episódios trarão para toda a cidade, afetando principalmente o turismo e a imagem da capital. “A imagem da nossa cidade vinha sendo bem construída, recentemente teve uma feira de turismo em Portugal, o prefeito foi, a governadora foi, a ABIH foi, aí estoura uma situação dessa, então repercute negativamente, mas o povo natalense é um povo guerreiro e batalhador e, se Deus quiser, a gente vai vencer essa situação”, pontua.

Eraldo Paiva faz o maior evento de pré-campanha no Novo Amarante
Encontro faz parte de estratégia ampla para envolver diferentes segmentos da sociedade na formulação de propostas
19/07/2024 às 07:02
PEC da Anistia: PT será maior beneficiado com Refis
Ao todo, os partidos brasileiros têm hoje pelo menos R$ 54,1 milhões em débitos na Dívida Ativa da União
19/07/2024 às 06:53
Rafael Motta: Não tenho a máquina da Prefeitura nem do Governo
Pré-candidato a prefeito de Natal e ex-deputado, Rafael Motta é filiado ao Avante
19/07/2024 às 06:48
“Fui o único pré-candidato que segue em crescimento”, diz Paulinho Freire
Paulinho Freire em evento de lançamento de pré-candidatura a prefeito de Natal
19/07/2024 às 06:43
Carlos Eduardo é condenado no TCU por superfaturamento em reforma do Machadão
Decisão do TCU aponta irregularidades de R$ 3,6 milhões na obra feita em 2006; ex-prefeito e envolvidos deverão devolver R$ 1,5 milhão à União
19/07/2024 às 06:00
Brasil terá 155 milhões de eleitores nas eleições municipais deste ano
Estimativa é do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
18/07/2024 às 21:36
Rafael Motta lança movimento ‘Natal Cidade dos Sonhos’
Rafael destacou a importância de ouvir a comunidade e trabalhar em conjunto para transformar Natal em uma cidade mais moderna, inclusiva e bonita
18/07/2024 às 09:54
Paulinho é o pré-candidato que mais cresceu nas últimas pesquisas Exatus
Pré-candidatura de Paulinho Freire à Prefeitura de Natal cresceu 77,57%, nos últimos quatro meses | Foto: José Aldenir / Agora RN
18/07/2024 às 07:52
Álvaro é aprovado por 40%; Lula por 39%; e Fátima, por 22%
Levantamento mediu ainda a avaliação das gestões federal, estadual e municipal junto ao eleitorado natalense
18/07/2024 às 07:47
Natália é a mais rejeitada, com 28%; Carlos é o segundo, com 15%
Natália Bonavides lidera no quesito rejeição, com 28,38% das citações, seguida por Carlos Eduardo, com 15,38%
18/07/2024 às 07:35