BUSCAR
BUSCAR
EUA
Trump aproveita últimas semanas de governo para garantir ganhos políticos e pessoais
Funcionários do governo estão correndo para leiloar direitos de perfuração no Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico, reduzir os níveis de tropas dos EUA no Afeganistão
Estadão
07/12/2020 | 18:00

O presidente Donald Trump gravou na semana passada um vídeo de 46 minutos com acusações infundadas de fraude eleitoral. Premiou o ex-técnico de futebol universitário Lou Holtz, um aliado político próximo, com a Medalha da Liberdade em uma cerimônia no Salão Oval. E ameaçou vetar um projeto de lei do orçamento de defesa se ele não incluir medidas para punir as empresas de mídia social que sinalizaram suas postagens como carregadas de falsidades.

Funcionários do governo estão correndo para leiloar direitos de perfuração no Refúgio Nacional da Vida Selvagem do Ártico, reduzir os níveis de tropas dos EUA no Afeganistão, implementar novas regras para limitar os preços dos medicamentos e criar uma nova categoria de pessoal para funcionários públicos em funções de formulação de políticas que os privaria da maioria das proteções de emprego.

Esses são exemplos recentes de como o governo americano acelerou os esforços para garantir ganhos pessoais e políticos de última hora e consolidar seu legado até 20 de janeiro, quando o presidente eleito Joe Biden toma posse.

Na semana passada, por exemplo, os Serviços de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos adotaram um teste de cidadania mais longo e difícil que, segundo os críticos, poderia conter ainda mais a imigração legal. O Pentágono nomeou 11 novos membros, incluindo dois proeminentes ex-assessores de campanha de Trump, para um conselho consultivo de negócios do Departamento de Defesa.

E o presidente assinou uma ordem executiva elaborada pelo Gabinete de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca com o objetivo de proteger as liberdades civis no uso de inteligência artificial pelo governo federal.

Ao longo das últimas seis semanas da presidência de Trump, o governo não tem planos de reduzir seus esforços para refazer as políticas federais e até mesmo a própria burocracia do governo, disseram assessores, apesar da transferência pendente para o próximo governo democrata.

O turbilhão de atividades contrariou a tradição de ex-presidentes que adiaram as principais ações políticas durante o período. Em alguns casos, as ações podem tornar o processo desafiador para Biden cumprir promessas de campanha. O Departamento de Segurança Interna está correndo para completar mais 80 quilômetros de barreiras de parede ao longo da fronteira EUA-México, e os departamentos de Estado e do Tesouro estão preparando sanções econômicas adicionais à China e ao Irã.

Os republicanos do Senado – que podem perder a maioria no governo em janeiro, dependendo de uma disputa pelo segundo turno na Geórgia – estão agindo rapidamente para confirmar as escolhas conservadoras de Trump para os tribunais federais e outros nomeados, cujos mandatos se estenderão até a presidência de Biden e além.

“O que vimos sobre a imigração é que este governo não diminuiu o ritmo quando se trata de divulgar sua agenda nos últimos dias do mandato de Trump”, disse Aaron Reichlin-Melnick, conselheiro político do Conselho de Imigração Americano, que observou que o governo também busca mudanças nas regras para limitar as proteções de asilo para estrangeiros. “O próprio está avançando e acelerando seus esforços para obter esses regulamentos”.

A pressa veio apesar da relativa desatenção de Trump em governar desde sua derrota eleitoral no mês passado, impulsionada em parte por assessores de mentalidade ideológica, incluindo membros do gabinete ansiosos para polir seus próprios legados. O secretário de Estado Mike Pompeo – que pesou uma possível campanha para o Senado dos EUA – disse que os Estados Unidos continuarão a impor sanções econômicas ao Irã até a última semana de Trump no cargo.

Isso resultou em novas ações do Departamento do Tesouro a cada semana ou mais. A decisão de Trump de retirar os Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã negociado pelo governo Obama foi a pedra angular de sua política externa. A estratégia de Pompeo é uma tentativa de aumentar a pressão sobre Biden, que prometeu buscar uma reaproximação com os líderes iranianos.

Desde a eleição, Trump decidiu acertar contas políticas contra assessores de alto escalão que considerava desleais, incluindo a destituição do secretário de Defesa Mark T. Esper, que o irritou ao resistir ao uso de tropas militares da ativa para controlar os protestos civis no verão passado. Isso abriu caminho para a substituição de Esper, com o secretário interino Christopher C. Miller, para acelerar um esforço para atender ao desejo de Trump de reduzir os níveis de tropas dos EUA no Afeganistão de 5 mil para 2,5 mil.

Funcionários do governo também determinaram que o número de tropas americanas no Iraque fosse reduzido de 3.000 para 2.500 até o final do mandato de Trump.Na noite de sexta-feira, o governo anunciou que removerá a maioria dos cerca de 700 soldados da Somália para realocá-los na África Oriental.

Ainda assim, Trump gastou pouco tempo defendendo os movimentos. Ele realizou uma cerimônia na Casa Branca há três semanas para anunciar os esforços do Departamento de Saúde e Serviços Humanos para garantir mudanças nas regras que reduziriam os preços dos medicamentos prescritos. Durante o evento, no entanto, Trump parecia consumido por suas queixas contra a “grande indústria farmacêutica”, que acusou de veicular anúncios negativos contra ele durante a campanha.

Ele atacou as empresas farmacêuticas por anunciarem o progresso das vacinas para o coronavírus após a eleição – e não antes dela – uma decisão que ele sugeriu que visava prejudicar suas perspectivas de reeleição, embora representantes da empresa dissessem que queriam garantir que as vacinas não fossem politizadas.

O governo de Trump também sinalizou sua intenção de deixar sua maior marca na burocracia federal em uma geração, ao tentar reclassificar os funcionários públicos em funções de formulação de políticas que os privariam da maioria das proteções aos empregos.

O esforço, baseado em uma ordem executiva que Trump emitiu menos de duas semanas antes da eleição, é um reflexo da desconfiança de sua administração em uma força de trabalho que seus assessores há muito ridicularizam como um “Estado profundo” inclinado a resistir às suas políticas.

De acordo com a cláusula, dezenas de milhares de funcionários de nível médio e sênior estariam vulneráveis ​​à demissão com base na percepção de baixo desempenho ou deslealdade à administração. Os sindicatos de funcionários federais estão contestando as medidas na Justiça, mas o orçamento da Casa Branca e os escritórios de gestão de pessoal agiram rapidamente para reclassificar centenas de funções.

Os democratas do Congresso esperam bloquear o novo sistema durante as negociações de um novo projeto de lei de gastos do governo neste mês.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.