BUSCAR
BUSCAR
Protesto
Sinmed cita desrespeito a médicos; Governo do RN promete pagamento
Médicos do Tarcísio Maia ameaçam paralisação por atrasos salariais; Geraldo Ferreira aponta situação desorganizada da Saúde
Redação
26/07/2023 | 08:39

Os médicos clínicos do Hospital Regional Tarcísio Maia, que atuam dos setores de pronto-socorro, núcleo de regulação e enfermarias de evolução, enfrentam atrasos salariais que já somam quase 6 meses e podem iniciar uma paralisação no próximo dia 1º, caso o pagamento o pagamento referente aos meses de fevereiro, março e abril não seja quitado até 30 de julho. O presidente do Sindicato dos Médicos do RN (Sinmed), Geraldo Ferreira, aponta que a situação está gravíssima.

“Há um desrespeito grande com a categoria médica, vivemos um momento extremamente difícil, bombardeio de todos os lados. No serviço público há um achatamento salarial e só algumas vezes respiramos com negociações positivas, como em Parnamirim recentemente, que conseguimos corrigir, em parcelas, mais de 30%”, disse o representante da categoria em entrevista ao Jornal da Cidade, da 94 FM, nesta terça-feira 25.

Ainda nesta terça, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesap) informou que vai efetuar dentro dos próximos dias o pagamento de duas faturas pendentes do contrato à empresa que presta serviços ao Tarcísio Maia. “ Uma das faturas será quitada ainda nesta quarta-feira 26 e a outra assim que o processo for devolvido da avaliação feita pela Procuradoria Geral do Estado”.
Geraldo Ferreira acredita que a terceirização é preocupante. “Porque o Estado está terceirizando para valer, inclusive fazendo licitações que nos preocupam, onde empresas de outros estados ganham sem ter médico e chegam aqui querendo aliciar os profissionais”.

Em Mossoró, a terceirização ocorre por uma empresa, em Natal é por outra, conforme o presidente do Sinmed. “O Estado procura uma em cada local, porque é insustentável se fizer só com uma empresa, porque aí pode parar tudo de vez”. A terceirização avança em todos os setores, segundo ele. “Agora porque o Governo prefere terceirizar pagando duas vezes mais é um grande mistério! Isso não é só no Município, é no Estado, é tudo. Nós somos vítimas de uma precarização absurda do trabalho, [inclusive] a contratação por empresas que inventam mecanismos de participação societária, que é contestada pela Receita Federal”.

O presidente do Sinmed pede concursos na área. “Agora porque não querem também é um mistério. Os argumentos não justificam, o que nós sabemos é que o profissional concursado tem compromisso com o serviço”.

Médicos de Natal

Os médicos de Natal fizeram, nesta terça-feira 25, uma paralisação como forma de pressionar a Prefeitura na mesa de negociação em relação à incorporação da gratificação de urgência e emergência (GEAUE) ao salário.

A proposta elaborada pelo Sinmed RN e apresentada à gestão municipal sugere a incorporação da GEAUE, no valor de R$ 2.750, ao salário dos médicos, assegurando para o profissional uma melhor condição salarial também na aposentadoria, além de beneficiar também os médicos que já estão inativos.

“Nós estamos negociando há um bom tempo, porque hoje temos uma defasagem de 18%. Hoje é difícil pedir um reajuste desse, porque todas as outras categorias iriam pedir também. Então nós propusemos a extinção de gratificações, incorporação de outras e correção de outras. Entre elas a do Samu, que está profundamente defasada. Não houve uma resposta à nossa proposta. Na última reunião, nós tivemos que ser muito duros com o prefeito [Álvaro Dias] e ele marcou uma nova reunião. Mas como isso está se protelando por muito tempo, os médicos decidiram fazer uma paralisação. Esperamos a sensibilidade do prefeito”, afirmou Geraldo Ferreira.

Geraldo Ferreira: Se houver vistoria em urgência e emergência, não fica um aberto

Ainda durante a entrevista sobre o movimento de paralisação da categoria médica, Geraldo Ferreira também apontou outros problemas na área da Saúde. Para ele, o RN está desorganizado. “No caso dos cirurgiões, por exemplo, há um atraso de seis meses, o contrato está para vencer, e o Governo quer renovar antes de quitar”.

Ele também comentou o projeto do Governo do Estado para diminuir a fila de cirurgias eletivas, que é de 27 mil pessoas aguardando no RN. “O governo quer fazer na rede pública, mas ocupa as salas que eram para ser ocupadas pela urgência. Esse sistema está errado”, apontou Geraldo Ferreira.

“Para completar esse drama que a Saúde vive, vimos em Pau dos Ferros o incêndio do centro cirúrgico do maior hospital do Alto Oeste. Se nós formos fazer uma vistoria nos hospitais de urgência e emergência do Rio Grande do Norte, duvido que fique um aberto”.

O presidente do Sinmed também revelou que enviou um pedido de audiência à nova secretária de Saúde, Lyane Ramalho, mas que até agora não recebeu retorno. A médica assumiu a chefia da pasta no começo de maio deste ano.

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.