BUSCAR
BUSCAR
Mudança
Shakira se une à crescente lista de artistas que venderam seus catálogos musicais
Sem revelar detalhes sobre a operação, a empresa confirmou a incorporação de Shakira em seu catálogo, que inclui Dave Stewart (Eurythmics), Debbie Harry (Blondie) e Chrissie Hynde (Pretenders)
Estadão
14/01/2021 | 18:20

A cantora Shakira entrou para a crescente lista de artistas e compositores de primeira linha que decidiram vender seus catálogos de música, um time que nas últimas semanas reúne nomes como Bob Dylan, Neil Young, Lindsay Buckingham, ex-Fleetwood Mac.

No caso da colombinana, a destinatária de 100% dos direitos de repertório, cerca de 145 músicas, é a companhia britânica Hipgnosis Songs Fund, empresa responsável por gestão de propriedade intelectual de música, cofundada em 2018, por Nile Rodgers e Merck Mercuriadis. “Me sinto honrada em escrever músicas que me deram o privilégio de me comunicar com os outros, de ser parte de algo maior que eu”, afirmou a cantora em um comunicado.

Sem revelar detalhes sobre a operação, a empresa confirmou a incorporação de Shakira em seu catálogo, que inclui Dave Stewart (Eurythmics), Debbie Harry (Blondie), Chrissie Hynde (Pretenders), The Chainsmokers e Mark Ronson.

Nas últimas semanas, a empresa também negociou 50% dos direitos sobre o repertório de Neil Yong, cerca de 1.180 músicas por US$ 50 milhões.

Em dezembro foi a vez de Bob Dylan. Ele anunciou a venda dos direitos de 600 músicais para o grupo Universal Music Publishing por uma soma de US$ 250 milhões.

O impacto nos catálogos

Segundo especialistas, o maior número de operações desse tipo registradas nas últimas semanas teria a ver, por um lado, com a paralisação das viagens por um ano devido à pandemia covid-19 (uma de suas principais fontes de rendimento) e, por outro lado, com a chegada à Casa Branca do democrata Joe Biden e o eventual aumento dos impostos que incidem sobre o aumento de capital.

Por outro lado, a valorização dos direitos musicais por conta do papel predominante que passaram a ter as plataformas de streaming. De acordo com uma estimativa publicada pelo The Wall Street Journal, os catálogos de música estão sendo reavaliados ano a ano, a ponto de um repertório pelo qual se pagariam 41 mil euros agora pode ser avaliado em uma faixa ampla de 4 milhões a 40 milhões.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.