BUSCAR
BUSCAR
Depoimento
Servidora diz à CPI da Covid que politização pelo ‘líder da nação’ provocou sua saída do programa de vacinação
Ex-coordenadora do Programa de Imunizações, Francieli Fantinato diz que resultados contra a Covid poderiam ser melhores se Bolsonaro não colocasse vacinas em dúvida
O Globo
08/07/2021 | 13:08

A ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do ministério da Saúde, Francieli Fantinato disse em depoimento à CPI da Covid, nesta quinta-feira, que deixou a pasta por politização do tema “por meio do líder da nação”, em referência ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Após o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), dar voz de prisão ao ex-diretor de Logística da Saúde, Roberto Dias, a ex-servidora se negou a prestar juramento de falar a verdade na comissão.

Fantinato chegou à comissão com um habeas corpus concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso que lhe garantia os direitos de investigados: de não prestar o compromisso de dizer a verdade e de não responder a perguntas que a pudessem incriminar.

Acompanhe ao vivo:

A decisão do ministro ainda a protege de qualquer decisão de prisão. Ainda assim, ao abrir a sessão, o presidente Omar Aziz indagou se ela desejaria espontaneamente se comprometer em responder a verdade. Após orientação do advogado que a acompanhava, ela respondeu negativamente. A servidora, que esteve à frente do PNI desde 2019, exonerada do cargo na terça-feira.

Francieli Fantinato diz que deixou o cargo por conta da politização e chegou a apontar que o presidente Jair Bolsonaro colocou em dúvida os imunizantes.

— A senhora falou em “membro” (que não contribuiu para vacinação). Por isso é muito importante para essa comissão citá-lo — perguntou Renan Calheiros.

— Então vamos lá, a vacinação mudou o cenário epidemiológico do país há muitos anos, há de se convir que não dá para colocar em dúvida a vacinação quanto a meio efetivo para controle da pandemia. Quando a gente tem ciência, segurança no produto que a gente está usando, quando os resultados apontam de forma favorável que aquilo pode trazer um resultado à população, ter uma politização do assunto por meio do líder da nação que traz elementos que muitas vezes coloquem em dúvida… — respondeu a depoente, sem concluir a frase ao ser interrompido por conversas na CPI.

Após a interrupção, o senador Randolfe Rodrigues pediu que a farmacêutica retomasse sua resposta. E ela evitou citar o presidente novamente afirmando que declarações de qualquer pessoa, seja do nível hierárquico que for, podem afetar o êxito da vacinação. Francieli afirmou que era necessário haver diversas campanhas de comunicação a públicos diferentes, uma vez que a vacinação começou pelos grupos prioritários.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.