BUSCAR
BUSCAR
Ponte aérea
Saiba motivo para o presidente da CPI avaliar ida de senadores aos EUA
Possibilidade foi analisada pelo senador Omaz Aziz (PSD-AM)
Metrópoles
28/05/2021 | 14:15

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), avaliou enviar parlamentares que integram a comissão aos Estados Unidos para ouvir o ex-assessor da Presidência Arthur Weintraub.

Ao Metrópoles, Aziz afirmou que essa é uma das opções em avaliação, uma vez que Weintraub mora desde 2020 em Washington, onde trabalha na Organização dos Estados Americanos (OEA).

Segundo o presidente da CPI, caso esse seja o caminho adotado, o relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), Deveria ser um dos senadores que iriam aos Estados Unidos ouvir o ex-avaliador.

Outra alternativa, diz Aziz, seria acionar autoridades americanas para que ouçam Weintraub pessoalmente em Washington. Esse caminho é defendido pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI.

“Estamos analisando como fazer legalmente. Até a próxima semana a gente decide isso ”, afirmou o presidente da comissão, que está em Manaus e retorna a Brasília na próxima segunda-feira 31.

Aziz descartou a opção de ouvir Weintraub por videoconferência. “Não abrimos brecha para ninguém na CPI. Por videoconferência pode cair o sinal, pode ter problema. É complicado ”, justificou.

A convocação de Weintraub foi aprovada pela CPI na quarta-feira 26. Ele é apontado como integrante de um suposto “assessoramento paralelo” ao presidente Jair Bolsonaro sobre assuntos da pandemia.

Ele foi convocado após o Metrópoles publicar reportagem e vídeo indicando que o ex-assessor coordenou esse grupo de aconselhamento paralelo de Bolsonaro durante uma pandemia da Covid-19.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.