BUSCAR
BUSCAR
Declaração
Repetindo Pazuello, Doria agradece à Anvisa: “Coronavac será a vacina do Brasil”
Governador paulista comemorou a aquisição futura de 6 milhões de doses da vacina que Bolsonaro dizia não comprar, mesmo após aprovação, e também cobrou a liberação de insumos para novas 40 milhões de doses
Correio Braziliense
24/10/2020 | 19:05

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), agradeceu à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na tarde deste sábado (21/10) pela liberação da compra inicial de 6 milhões de doses da CoronaVac, vacina em desenvolvimento com a parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório chinês Sinovac. Doria utilizou a frase do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, quando da assinatura do acordo intenção de compra desautorizado no dia seguinte por Bolsonaro: “Será a vacina do Brasil”.

“Agradeço a postura coerente e autônoma da Anvisa, ao liberar compra inicial de 6 milhões de doses da Coronavac. Reforçamos a importância da liberação de insumos para a produção das outras 40 milhões de doses. A Coronavac será produzida em São Paulo, no Butantan. Será a vacina do Brasil”, escreveu o tucano.

Responsável por produzir a vacina em território nacional, o Butantan aguarda, ainda, liberação para importar a matéria-prima da vacina, suficiente para fabricar mais 40 milhões de doses. Isso porque a Anvisa desmembrou o pedido de importação do Butantan. O governador paulista também cobrou a liberação dos insumos.

Na última quarta-feira, em queda de braço com o tucano, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e cancelou o protocolo de intenção de compra de 46 milhões de doses da vacina. Bolsonaro foi enfático em dizer que a imunização em questão não será comprada e que “o povo não será cobaia de ninguém”. 

Em uma entrevista à Jovem Pan, Bolsonaro declarou também que o imunizante desenvolvido pela Sinovac, não será comprado pelo governo, ainda que venha a possuir a autorização da Anvisa.

O chefe do Executivo alegou que existe um “descrédito muito grande” em relação à vacina, escancarando também seu lado ideológico que defende que o vírus foi fabricado pela China. “A China, lamentavelmente, já existe um descrédito muito grande por parte da população, até porque, como muitos dizem, esse vírus teria nascido por lá”, apontou. Coincidentemente, a Sinovac foi a primeira do mundo a obter autorização para produzir vacinas contra a h1n1, em dose única, em 2009, e opera há 27 anos no mercado internacional. 

Ontem, no final da tarde, a Anvisa autorizou a importação de seis milhões de doses do imunizante produzida pelo laboratório chinês Sinovac, a pedido do Instituto Butantan. No mesmo dia, o governo de São Paulo anunciou a criação de seis novos centros para a realização de testes da CoronaVac em voluntários. 

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.