BUSCAR
BUSCAR
Expectativa
Remédio da Biogen contra Alzheimer pode chegar ao Brasil em meados de 2022
Levando-se em consideração os trâmites normais do processo, que costuma demorar de 12 a 15 meses, tudo indica que ele poderá estar disponível até o fim do primeiro semestre de 2022
Estadão
30/11/2020 | 12:54

Fora da corrida mundial por uma vacina contra a covid-19, a multinacional americana Biogen tem uma luta própria: colocar no mercado mundial o quanto antes um remédio contra a doença de Alzheimer. No início deste mês, a agência reguladora de alimentos e medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) avaliou que o aducanumabe apresentou evidências “excepcionalmente persuasivas”. A expectativa é pela aprovação do remédio em março do ano que vem. A companhia não quer se comprometer com prazos para a entrega do remédio no Brasil, mas, levando-se em consideração os trâmites normais do processo, que costuma demorar de 12 a 15 meses, tudo indica que ele poderá estar disponível até o fim do primeiro semestre de 2022.

Se tudo continuar seguindo a tendência positiva, será o primeiro tratamento para o mal em décadas e o primeiro a sinalizar ser capaz de retardar sua progressão. No comando da empresa na América Latina há três meses está o escocês Fraser Hall, que até então era CEO da britânica AstraZeneca no Brasil, uma das mais adiantadas do mundo na busca de um imunizante para o coronavírus. “A AstraZeneca é uma companhia extraordinária, mas a minha grande paixão é a neurociência. E neurociência é Biogen”, disse ele em entrevista ao Estadão, a primeira que concedeu após a mudança.

O Alzheimer é a perda de neurônios relacionados à memória e ao aprendizado e tida como um dos tipos mais frequentes de demência. Trata-se de uma doença progressiva e que ainda não tem cura. O Ministério da Saúde estima que exista 1,2 milhão de casos no País, a maioria ainda sem diagnóstico. No mundo, são mais de 35 milhões de pessoas já identificadas com a doença. “A descoberta (do aducanumabe) foi muito emocionante. Se você tem Alzheimer, você não tem nada… não há remédio, não há perspectiva. Acho que essa droga é extraordinária em termos de dar alguma esperança em relação a essa doença devastadora”, afirmou.

Hall também considerou que, quando a medicação for aprovada, deverá haver mais entusiasmo e mais investimentos no segmento. No dia do parecer inicial positivo da FDA, as ações da Biogen dispararam mais de 40% nos Estados Unidos, único local onde a empresa é listada em Bolsa de Valores. A avaliação do mercado é a de que, se aprovado, o aducanumabe poderá representar vendas anuais de cerca de US$ 5 bilhões até 2025.

Liberação

O executivo escocês é responsável pelos escritórios do México, Colômbia, Brasil, Argentina e Chile e acompanha também a distribuição dos medicamentos da Biogen em outros países das Américas Latina e Central. Ele lembrou que algumas nações só fazem a liberação de novas drogas quando outros reguladores já o fizeram, enquanto outras têm um processo independente. “O Brasil, por exemplo, não depende de nenhum outro país. A Anvisa revisa as informações disponíveis (para tomar sua decisão)”, comparou, citando que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária costuma ter dois processos: um caminho mais rápido, que costuma levar em torno de nove meses, e um considerado normal, que dura em torno de 12 meses, além de mais cerca de três meses de avaliação pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec).

Tem sido uma “dura jornada” a busca por uma medicação para o Alzheimer, conforme o diretor-geral da Biogen Latam, principalmente em um momento em que todos os olhos do mundo estão voltados para a descoberta de uma vacina conta a covid-19. “Esperançosamente, haverá mais drogas para o Alzheimer entrando no pipeline, mas, por enquanto, o aducanumabe é o mais avançado entre eles e sobre o qual se tem mais informação”, afirmou. “Ele funciona. Acreditamos que ele funciona.”

Para expandir ao máximo a distribuição do medicamento, Fraser, que já tinha contato com os governos locais por causa de sua passagem pela AstraZeneca, mantém a proximidade com as diferentes administrações da região. “Esta doença é uma questão de saúde pública, que afeta muitas e muitas pessoas diferentes e os governos são realmente uma chave no longo prazo, então estamos próximos dos governos e das agências”, explicou. “Mas reconhecemos que estes são tempos difíceis para qualquer governo”, acrescentou.

O seu papel à frente da farmacêutica na América Latina será o de expandir o portfolio de ofertas da Biogen na região. “Uma coisa que queremos fazer é facilitar o acesso de nossos remédios aos pacientes na América Latina.” O executivo também disse ter como meta ampliar a participação de cientistas latino-americanos no quadro da empresa. Do lado dos negócios, no entanto, não está prevista a abertura de novos escritórios na região e nem abrir o capital da companhia. “Acho que podemos fazer isso em algum momento, mas não é parte dos planos de curto prazo”, disse.

A companhia foi fundada em Genebra, na Suíça, há 42 anos se consolidou no ramo da neurociência desenvolvendo medicamentos para doenças neurológicas raras, autoimunes e graves com nenhuma ou poucas opções terapêuticas, construindo reputação na luta contra a esclerose múltipla. Atualmente, a empresa tem sede em Cambridge, nos Estados Unidos e conta com uma unidade no Brasil há 12 anos.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.