BUSCAR
BUSCAR
Posicionamento
Queiroga diz que abriu sindicância para investigar suspeita de propina
Pedido de dinheiro para fechar contrato teria sido realizado por Roberto Ferreira Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde
Metrópoles
30/06/2021 | 10:44

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou, nesta quarta-feira 30, que o órgão instalou uma sindicância para investigar a suspeita de cobrança de propina na compra de vacinas contra a Covid-19. O pedido de dinheiro pela aquisição de imunizantes teria sido realizado por Roberto Ferreira Dias, que foi demitido do Departamento de Logística em edição do Diário Oficial da União desta quarta.

O caso foi revelado na terça-feira 29 pelo jornal Folha de S. Paulo. Segundo o veículo, Dias foi acusado pelo empresário Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply e negociava a venda de 400 milhões de doses de vacina.

O servidor do Ministério da Saúde teria sugerido propina de US$ 1 por unidade do imunizante. A exoneração de Dias foi anunciada na noite de terça-feira 29. Nesta quarta, Queiroga afirmou que o órgão está investigando a suspeita de corrupção no ministério.

“Ele [Roberto Dias] foi exonerado ontem. Quando há algum tipo de indício ou de colocação que possa sugerir fatos gravosos, a gente tem que afastar o servidor, sem avaliar o mérito de culpabilidade. Está sendo apurado, instauramos uma sindicância e essa sindicância vai trazer soluções”, disse o titular do Ministério da Saúde.

O ministro disse que a medida foi tomada de maneira “cautelar“. Questionado sobre a chance de haver outros nomes da pasta envolvidos no esquema, Queiroga disse que não se sabe da possibilidade. “De maneira cautelar, nós o afastamos. Não se sabe de possíveis outros servidores, o que fizemos foi o que cabia para a oportunidade”, concluiu.

Indicado pelo ex-deputado Abelardo Lupion (DEM-PR) e pelo líder do Governo Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), Dias foi nomeado na gestão do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM). O diretor tem boa relação com membros do Centrão.

Propina

Ao jornal Folha de S. Paulo, o vendedor Luiz Payulo Dominguetti afirmou que o diretor de Logística do Ministério da Saúde teria cobrado a propina durante jantar num shopping de Brasília. O acordo, todavia, não foi fechado.

“Ele me disse que não avançava dentro do ministério se a gente não compusesse com o grupo, que existe um grupo que só trabalhava dentro do ministério, se a gente conseguisse algo a mais tinha que majorar o valor da vacina, que a vacina teria que ter um valor diferente do que a proposta que a gente estava propondo”, afirmou à Folha o representante da empresa.

Dominguetti deu mais detalhes: ​”Aí eu falei que não tinha como, não fazia, mesmo porque a vacina vinha lá de fora e que eles não faziam, não operavam daquela forma. Ele me disse: ‘Pensa direitinho, se você quiser vender vacina no ministério tem que ser dessa forma”.

Em nota enviada à imprensa na noite de terça-feira, o Ministério da Saúde comunicou a exoneração de Dias. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.