BUSCAR
BUSCAR
Confronto
Protestos contra violência policial na Colômbia terminam em sete mortos
As manifestações na noite de quarta-feira 9 em vários pontos da capital colombiana e se estenderam para cidades como Medellín e Cali
Redação
10/09/2020 | 15:35

Sete mortos, centenas feridos de bala e vários postos de polícia destruídos nos protestos e tumultos que eclodiram na quarta-feira 9 em Bogotá, após a morte de um homem por repetidos choques dados por dois policiais com uma arma elétrica, segundo um relatório oficial.

As manifestações na noite de quarta-feira 9 em vários pontos da capital colombiana e se estenderam para cidades como Medellín e Cali.

Pelo menos três das vítimas em Bogotá morreram por ferimentos de bala, entre elas um menor de 17 anos, informou a polícia em coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

Houve confrontos fortes na capital que foram registrados em vídeos, e uma onda de ataque a postos de comando conhecidos como Centros de Atenção Imediata (CAI).

“Estamos diante de um ato maciço de violência”, afirmou o ministro da Defesa, Carlos Holmes Trujillo, em coletiva de imprensa.

No Twitter, a prefeita de Bogotá, Claudia López, informou sobre 362 feridos: 248 civis e 114 uniformizados.

Entre os “cidadãos feridos”, 58 foram baleados. “Houve um uso indiscriminado de armas de fogo. Estamos nos hospitais acompanhando os familiares e reconstruindo os fatos”, acrescentou a prefeita.

Grupos de manifestantes denunciados nas redes sociais novos excessos da polícia durante os protestos desencadeados pela morte de Javier Ordóñez, um advogado de 46 anos e pai de dois filhos.

O relatório do governo registrou 56 postos de comando “vandalizados”, assim como 70 presos por danos e “violência contra a força pública”.

A agressão que gerou os violentos protestos ocorreu na madrugada de quarta-feira no noroeste de Bogotá e foi filmada por uma testemunha e amigo de Ordóñez.

A sequência de cerca de dois minutos mostra o momento em que os militares dominam Ordóñez. Uma vez no chão, os agentes aplicam-lhe pelo menos cinco choques de vários segundos com uma arma elétrica.

“Chega, por favor”, ouve-se Ordóñez suplicando, repetidas vezes.

Depois de receber os choques, Ordóñez foi levado para um posto policial e, de lá, para uma clínica, onde não resistiu e faleceu.

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos, um órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA), condenou fortemente nesta quinta “os casos de brutalidade e de abuso policial” na Colômbia.

“A CIDH condena enfaticamente os casos de brutalidade e abuso policial”, tuitou a Comissão, um ente autônomo do sistema interamericano que vela pelo respeito dos direitos humanos.

Segundo a CIDH, que citou “informação pública”, Ordoñez morreu “como consequência dos golpes e das descargas elétricas aplicadas por agentes policiais, enquanto era dominado no chão”.

O organismo apontou ainda que houve mortos e feridos nos protestos pelo ocorrido com Ordóñez e que “todos estes fatos devem ser esclarecidos, investigados e punidos”.

“A CIDH lembra o Estado de seu dever de garantir o direito à vida, integridade e liberdade de manifestação”, afirmou, em outro tuíte.

A comissão ressaltou que “atos cometidos de violência não transformam em uma ameaça pública ao movimento social que exerce direitos de liberdade de expressão, reunião e associação”.

As investigações e autópsia devem determinar se Ordóñez ir além das punições mais punições no CAI para onde foi levado, como necessário sua família.

Os policiais que prenderam Ordóñez já foram suspensos, disse o ministro da Defesa.

O caso evoca o episódio sofrido pelo afro-americano George Floyd. Ele foi morto em Minneapolis em maio passado, sufocado por um branco policial que o imobilizou com um joelho no pescoço.

Depois de sua morte, fortes protestos explodiram nos Estados Unidos e continuam ecoando no país.

Neste suposto homicídio, envolvendo militares colombianos, ainda há várias perguntas sem resposta.

Em uma primeira versão, a polícia afirmou que os agentes atendem a uma denúncia sobre transtornos pelo consumo de álcool. Ordóñez supostamente agrediu os uniformizados, que responderam usando sua arma Taser.

“Expressamos a dor pela morte de Javier Ordóñez e nosso reiterado sentimento de solidariedade para com seus familiares. O governo nacional continuará prestando toda colaboração exigida pelas autoridades competentes para que os fatos sejam esclarecidos o mais rápido possível”, afirmou o ministro da Defesa.

Em mensagem à imprensa, o ministro também anunciou que aumentará a presença das mensagens da ordem em Bogotá com 1.600 policiais e 300 militares.

A prefeita Claudia López pediu, por sua vez, uma “área profunda e séria na polícia”.

Segundo ela, desde o início do ano foram sentados 137 denúncias por uso excessivo da força da polícia em Bogotá.

“Há um problema estrutural de casos de abuso policial e, além disso, impunidade”, criticou a prefeita, em declarações à imprensa.

Em novembro de 2019, por exemplo, Dilan Cruz, um jovem de 18 anos que participou de um protesto contra o governo, foi baleado na cabeça por um membro do Batalhão de Choque e morreu. Em agosto de 2011, um artista urbano identificado como Diego Becerra faleceu após levar um tiro de um policial, quando pintava um grafite em Bogotá.

*Com informações do Jornal do Comércio

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.