BUSCAR
BUSCAR
Saúde
‘Proteção contra Delta só é atingida com duas doses’, diz infectologista
À CNN, infectologista e epidemiologista Carlos Fortaleza explica que flexibilização ampla das medidas restritivas é preocupante
CNN Brasil
07/08/2021 | 14:38

De acordo com um levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), 60% das cidades brasileiras não registraram mortes por Covid-19 na primeira semana de agosto. A queda no número de mortes acontece concomitante ao avanço da vacinação. Por conta do alívio nos índices, gestores estaduais e municipais estão flexibilizando como medidas restritivas.

Em entrevista à CNN , o infectologista e epidemiologista Carlos Fortaleza, professor da Unesp e membro do Comitê de Contingência do Estado de São Paulo, diz estar preocupado com as flexibilizações amplas por conta da variante Delta e do baixo percentual de brasileiros que completaram o ciclo vacinal .

“Está reforçado que, para a variante Delta, a proteção só é atingida com duas doses da vacina . Então, há uma necessidade de ter muito cuidado com estas aberturas e não ir com muita sede ao pote, sob o risco de termos novos aumentos e ondas da Covid-19 “, ressalta.

Fortaleza explica que a maior parte dos imunizantes registrados no mundo são efetivos contra a variante, mas alguns estudos a serem feitos para garantir a segurança.

“Há pouco conhecimento, ainda, sobre a Coronavac e a vacina de dose única da Janssen contra uma variante Delta, mas há bastante conhecimento com a vacina da Moderna, da Pfizer , da AstraZeneca .”

Dessa forma, o epidemiologista leva em conta o que aconteceu em alguns países do mundo, que teve que retrair algumas flexibilizações por conta do avanço da Delta.

“É preciso que estas aberturas sejam lentas e tenham pontos de retorno, ou seja, que se nós temosmos novo aumento dos casos e mortes, possa ser feitos alguns fechamentos. Isso é o que temos visto em Israel, Grã Bretanha e Estados Unidos, que voltaram atrás de medidas de flexibilização diante de novos aumentos de casos devido à entrada da variante Delta. ”

Carlos Fortaleza defende, também, que as flexibilizações não são aglomerações e é contra a suspensão do uso obrigatório de máscaras.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.