BUSCAR
BUSCAR
Mundo
Presidente da Ucrânia pede que Rússia seja julgada por crimes de guerra
Presidente descreveu a destruição nas cidades ucranianas e voltou a afirmar que moscou cometeu genocídio em Bucha
R7
05/04/2022 | 12:40

Presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, cobrou ações do Conselho de Segurança da ONU na guerra na Ucrânia durante sua fala nesta terça-feira (5).

“Onde está a segurança que deve ser garantida por esse Conselho?”, questionou ao falar sobre a destruição das cidades russas e das centenas de civis mortos na cidade de Bucha.

“O mundo pode ver o que os militares russo fizeram em Bucha enquanto ocupavam a cidade, mas precisam ver o que fizeram em outros locais. A crueldade é a mesma e a responsabilidade precisa ser atribuída”, apontou ao Conselho.

“Estamos em 2022. Temos as provas claras, temos as imagens de satélite e podemos levar a uma investigação independente”, concluiu.

Zelenski ainda disse que a carta da ONU precisa ser restaurada “imediatamente” e que o primeiro artigo foi violado, já que prega a garantia da paz. Segundo ele, as tropas russas esmagaram civis com tanques de guerra, estupraram mulheres e deceparam membros das vítimas. Ele comparou a situaçõa com atentados terroristas, como as ações cometidas pelo Estado Islâmico.

Ele pediu que a Rússia seja expulsa do Conselho de Segurança. Para o líder, se novos caminhos para a paz também não forem encontrados, a alternativa seria a dissolução completa do órgão. “Exceções e privilégios não podem existir, todo o mundo deve ser igual. O poder da paz deve ser dominante. A humanidade sempre buscou isso. (…) O Conselho precisa ter representação justa de todas as regiões do mundo”

Sede: Rua dos Caicós, 2305-D, Nossa Sra. de Nazaré. Natal/RN | CEP: 59060-700
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.