BUSCAR
BUSCAR
Violência Policial
Polícia atira em menino com autismo após mãe pedir ajuda nos EUA
Caso aconteceu na cidade de Salt Lake City, no Estado de Utah; menino sofreu perfurações na bexiga, nos intestinos, no ombro e no tornozelo
Redação
09/09/2020 | 12:22

Um menino com autismo ficou gravemente ferido após ser atingido por disparos de policiais na cidade de Salt Lake City, em Utah, no centro-oeste dos Estados Unidos. Os policiais atendiam a um chamado da mãe do jovem quando dispararam várias vezes contra ela.

Linden Cameron, de 13 anos, estava passando por uma crise quando sua mãe, Golda Barton, ligou para o número de emergência 911 para obter assistência. “Eu disse a eles, ele está desarmado, ele não tem nada, ele só fica bravo assim e começa a gritar. Ele é uma criança tentando chamar a atenção”, contou a mãe ao canal KUTV.

Quando a polícia chegou ao local, o menino fugiu e, na perseguição, um dos policiais atirou nele várias vezes. “Durante uma curta perseguição a pé, um policial disparou sua arma e atingiu o sujeito”, disse o sargento da polícia de Salt Lake, Keith Horrocks, em coletiva de imprensa. “Ele foi transferido para o hospital em estado grave”, informou.

O menino sofreu ferimentos no ombro, intestinos, bexiga e tornozelos. “Ele é uma criança pequena, por que simplesmente não o derrubaram?”, questionou a mãe em prantos, lembrando que implorou aos policiais.

De acordo com a versão policial, Linden Cameron foi considerado suspeito de fazer “ameaças com uma arma” a conhecidos, mas segundo Horrocks, nenhuma evidência de arma foi encontrada no local até o momento.

Em um país abalado por protestos contra a violência policial após as mortes escandalosas de alguns cidadãos negros, o caso de Cameron provocou o clamor de organizações locais de defesa de pessoas com deficiência.

“A polícia foi chamada para ajudar, mas em vez disso o que fizeram foi causar mais dano”, disse a organização Neurodiverse, sediada em Utah.

O episódio lembra o caso de Daniel Prude, um homem negro de 41 anos com problemas mentais que morreu asfixiado sob custódia policial depois de ser preso em 23 de março, em Rochester, Nova York. Na ocasião, as autoridades estavam atendendo a um pedido de ajuda do irmão da vítima em meio a uma crise psicológica de Prude.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.