BUSCAR
BUSCAR
Golpe
PM que teria matado a prima por causa de seguro de 23 milhões é indiciado
Em junho, manicure foi atingida por tiros enquanto trabalhava no salão de beleza
O Tempo
09/08/2021 | 14:52

A Polícia Civil finalizou as investigações a respeito da morte da manicure Nayara Andrade, de 34 anos, assassinada no dia 1º de junho no salão de beleza que mantinha em Muriaé, na Zona da Mata. O crime teria sido cometido por um policial militar que é primo da vítima. Ele encontra-se preso.

O inquérito policial foi concluído na última sexta 6. Segundo informações da Delegacia de Homicídios e Proteção de Muriaé, o militar assassinou Nayara com o objetivo de receber apólices de seguro de vida que estavam em nome da prima. O valor total do resgate girava em torno de R$ 15 milhões, mas poderia chegar a R$ 23 milhões.

Nayara foi atingida por cinco tiros na perna e no tórax. Ela foi socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. A vítima deixa uma filha adolescente de 14 anos.

Em nota, a Polícia Civil informou que “ficou demonstrado que o investigado se passou pela vítima no momento da contratação dos seguros”. O policial também forjou documentos e simulou ser a mãe da vítima ao tentar ser beneficiado com a quantia do seguro.

Há também indícios, segundo as investigações, de que o militar teria tentado barrar as investigações. O método usado por ele teria sido ofertar “vantagens indevidas”, segundo a Polícia Civil.

O homem foi indiciado pelos crimes de homicídio duplamente qualificado, estelionato, fraude processual e corrupção ativa. Finalizada a etapa de investigação policial, o caso agora segue para avaliação do Ministério Público e possível oferecimento de denúncia.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.