BUSCAR
BUSCAR
Investigação

PF afirma que Bolsonaro desviou mais de R$ 25 milhões em joias e presentes oficiais

Venda de joias foi para Bolsonaro em espécie e custeou período nos EUA
Redação
08/07/2024 | 16:43

A PF (Polícia Federal) afirma que o ex-presidente Jair Bolsonaro teria formado uma associação criminosa para desviar mais de R$ 25 milhões em presentes recebidos por ele em visitas oficiais para outros países enquanto Chefe de Estado e que o dinheiro resultante das negociações era passado para ele em espécie. As informações constam do relatório final do inquérito da PF sobre a investigação, tornado público nesta segunda-feira 8.

Segundo a PF, ex-auxiliares de Bolsonaro venderam os presentes oficiais e entregaram o dinheiro em espécie para o ex-presidente. O relatório final da PF tem 476 páginas e é assinado pelo delegado responsável pelo caso, Fabio Shor.

Deputado Federal RJ Jair Bolsonaro em Natal (106)
PF afirma que Bolsonaro desviou mais de R$ 25 milhões em joias e presentes oficiais - Foto: Divulgação

Leia também: PF indicia Bolsonaro e outros 11 em investigação sobre venda de joias

O total das joias investigadas no caso chega a US$ 4.550.015,06 ou R$ 25.298.083,73, segundo a PF. A investigação diz que a associação criminosa envolvendo o ex-presidente e auxiliares tentou “legalizar” a incorporação dos bens para poder vendê-los, o que indicaria crime de lavagem de dinheiro.

Desse volume de joias, segundo a PF, os auxiliares venderam ou tentaram vender uma parte que resulta em pouco mais de R$ 6 milhões. O relatório não informa, porém, qual fatia deste valor teria ficado com Bolsonaro.

Conclusão é a mais dura acusação contra o ex-presidente até o momento. O caso seguiu nesta segunda-feira para análise do procurador-geral da República, que terá 15 dias para se manifestar. É o primeiro inquérito no qual a PF afirma que Bolsonaro teria recebido dinheiro em espécie desviado dos cofres públicos, já que os presentes eram considerados bens do Estado brasileiro.

Além de Bolsonaro, foram indiciadas outras 11 pessoas. Dentre os indiciados estão o ex-ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o ex-ajudante de ordens e delator Mauro Cid e seu pai, o general da reserva Mauro Lourena Cid. Também estão entre os indiciados os advogados Fabio Wajngarten e Frederick Wassef, que já atuaram para o próprio Bolsonaro.

Dinheiro das joias custeou Bolsonaro nos EUA

Ainda de acordo com a PF, parte do dinheiro em espécie recebido por Bolsonaro pela venda das joias custeou a estadia dele nos Estados Unidos. O ex-presidente foi para o país no dia 30 de dezembro, antevéspera da posse do presidente eleito Lula, e ficou lá por três meses.

Os gastos do ex-presidente constam do material apreendido pela PF em posse do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro Marcelo Câmara, que também foi indiciado. “Foram encontradas informações a respeito de gastos, manutenção ou outros dados que dizem respeito a gastos do ex-presidente Jair Bolsonaro enquanto permaneceu em solo estadunidense”, diz o relatório. “Após a derrota nas eleições de 2022, Marcelo Câmara foi um dos escolhidos para assessorar o ex-presidente Jair Bolsonaro. (…) Ele tinha acesso a informações pessoais, dados bancários, fiscais, agenda e diversas outras informações do ex-presidente.”

A PF diz que, antes de viajar, Bolsonaro fez uma operação de câmbio, passando R$ 800 mil de sua conta no Banco do Brasil para conta no Banco do BB Américas. O valor, na conversão daquele momento, chegou a pouco mais de U$ 151 mil.

Nos gastos do presidente registrados em uma planilha de Marcelo Câmara, Bolsonaro ainda tinha praticamente o mesmo valor em conta quando deixou os Estados Unidos, em abril. Isso, segundo a PF, indica que ele usou apenas dinheiro em espécie para se bancar durante a estadia no país.

Bolsonaro e seus auxiliares foram indiciados por lavagem de dinheiro, associação criminosa e peculato (desvio de dinheiro público). Se condenado, o ex-presidente pode pegar até 32 anos de prisão, considerando as penas máximas de cada um dos três crimes.

Agora, a PF encaminha o inquérito à PGR, que decide se vai apresentar denúncia ou não. Caso Bolsonaro vire réu, o caso será julgado pelo STF.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal
Magistradas são do Tribunal de Justiça de Goiás
12/07/2024 às 19:52
Técnica de enfermagem é condenada a 51 anos de prisão por tentar matar recém-nascidos
Vanessa Pedroso Cordeiro aplicou sedativos em 11 bebês de hospital no Rio Grande do Sul em 2009
12/07/2024 às 17:40
STF mantém prisão de cinco investigados no caso “Abin Paralela”
Operação foi deflagrada nesta quinta-feira
12/07/2024 às 16:59
Operadoras de jogos online deverão prevenir lavagem de dinheiro
Medida foi publicada nesta sexta no Diário Oficial
12/07/2024 às 13:25
Carolina Zingler transforma a dor em dança no seu novo single
Transformando o Céu antecipa o próximo disco da artista criadora da Esquina do Jazz, que vive entre Brasil e Portugal
12/07/2024 às 12:01
Incêndio em balsa na Ilha do Marajó deixa uma pessoa desaparecida; veja o vídeo
Ainda não há detalhes sobre o que teria causado o incêndio
12/07/2024 às 11:45
Mudanças climáticas já interferem em secas e cheias na Amazônia
Alerta é de pesquisador do Inpe em evento na SBPC
12/07/2024 às 10:08
Câmara aprova projeto do hidrogênio verde com R$ 18 bi em incentivos
Agora a proposta, de relatoria do deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), vai para a sanção do presidente Lula (PT)
12/07/2024 às 08:33
Inclusão de carnes na cesta básica é “vitória” de Lula, diz Fernando Haddad
O ministro da Fazenda ainda destacou que a inclusão das carnes na cesta básica também contou com o apoio de partidos de oposição, como o PL, do ex-presidente Jair Bolsonaro
12/07/2024 às 07:27
Câmara aprova PEC da Anistia, que livra partidos de multas de até R$ 23 bilhões
Pelo texto que acabou sendo votado, os partidos aplicarão apenas 30% dos recursos nas candidaturas de negros
12/07/2024 às 07:22