BUSCAR
BUSCAR

Para 1ª entrega, Brasil paga o dobro dos europeus por vacinas

A Fiocruz confirmou os valores negociados. A AstraZeneca tinha sido a intermediária do contato com os indianos
Agência Estado
22/01/2021 | 14:13

O governo brasileiro irá pagar ao Instituto Serum, da Índia, um valor mais de duas vezes superior ao que os países ricos da União Europeia destinaram para garantir as vacinas da AstraZeneca. Enquanto o Banco Mundial aponta que a o PIB médio por pessoa da UE é de US$ 34 mil, no Brasil a taxa é de apenas US$ 8,7 mil.

Depois de um desencontro entre os governos do Brasil e da Índia, os dois países anunciaram que um carregamento de 2 milhões de doses da vacina chegará ao país. O Instituto Serum é um dos centros capacitados pela AstraZeneca para produzir sua vacina.

Para 1ª entrega, brasil paga o dobro dos europeus por vacinas
Índia iniciou sua campanha de vacinação em 16/1 - Foto: EFE/EPA/DIVYAKANT SOLANKI

Num comunicado do início de janeiro, a Fiocruz confirmou a negociação e indicou que o “Instituto oferecerá as vacinas prontas ao mercado pelo valor de US$ 5,25 cada”.

Nas últimas semanas, um suposto erro de um ministro belga permitiu que os preços das diferentes doses de vacinas fossem revelados ao público europeu. De acordo com uma mensagem em suas redes sociais, o político belga indicou que a UE teria negociado um preço de US$ 2,16 (1,78 euros) por dose da vacina da AstraZeneca. Questionado, o bloco se recusou a comentar, alegando que os acordos eram confidenciais.

Procurado, o Instituto Serum afirmou que não poderia conversar com a reportagem. Já a sede mundial da AstraZeneca até este momento não deu uma resposta, enquanto no Brasil a assessoria da empresa indicou que eles foram apenas mediadores entre a Fiocruz e a Serum, não se envolvendo na negociação.

A Fiocruz confirmou que esses foram os valores negociados e que, de fato, a AstraZeneca tinha sido a intermediária do contato com os indianos.

Um caso similar de pagamentos de US$ 5,25 por dose da Serum foi identificado na África do Sul, que terá de pagar duas e vezes mais que os europeus pela vacina. A informação foi publicada pelo jornal The Guardian, nesta sexta-feira.

Questionado, o governo sul-africano disse que o argumento que lhes foi passado era de que não tinham participado do processo de desenvolvimento da vacina. “A explicação que nos foi dada para que outros países de alta renda tenham um preço mais baixo é que eles investiram na pesquisa e desenvolvimento, daí o desconto no preço”, disse Anban Pillay, representante da secretaria de Saúde do governo em Pretória.

A vacina continua sendo a mais barata hoje disponível no mercado e capaz de ser distribuída de forma mais simples. A AstraZeneca ainda indicou que está comercializando o produto por seu preço de custo.

Procurado para comentar o preço cobrado de Brasil e África do Sul, o Instituto Serum afirmou que não poderia conversar com a reportagem.

No caso do Brasil, não serão apenas as doses indianas que podem custar mais caro. De acordo com um comunicado da Fiocruz de 26 de outubro de 2020, o contrato entre o Brasil e a AstraZeneca foi revelado sobre o abastecimento de mais de 100 milhões de doses.

No texto, a entidade cita o fato de o custo ter sido negociado em US$ 3,16 por dose, superior que foi divulgado pelos belgas para a UE.

O preço é mais baixo que o carregamento indiano, já que caberá aos brasileiros sua preparação para ainda poder comercializar.

Ainda no ano passado, a AstraZeneca declarou em uma matéria na AFP que colocaria um teto de US$ 3,00 por dose para garantir que o produto chegasse ao maior número de pessoas possível.

O debate sobre os preços de vacinas tem dominado diferentes fóruns internacionais, entre eles a OMS e OMC. As empresas, porém, insistem que seus contratos devem permanecer em algumas instâncias sob confidencialidade. Mas garantem que estão oferecendo os produtos por um preço perto ou igual ao valor de produção.

A coluna revelou, no ano passado, que o contrato do governo federal com a AstraZeneca prevê que haverá uma renegociação do preço da vacina quando a pandemia terminar. Pelo contrato, fica estabelecido que é a empresa que determinará quando a crise termina.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Taxação de importação até US$ 50 e Projeto Mover vão à sanção
PL 914/24 foi aprovado na Câmara por 380 votos contra 26
12/06/2024 às 11:30
Setor de serviços cresce 0,5% de março para abril no país, revela IBGE
É a segunda alta consecutiva do indicador
12/06/2024 às 10:31
Servidores do Inmet anunciam paralisação a partir de sábado 15; entenda as reivindicações
Serviços como previsão do tempo, monitoramento do tempo e emissão de avisos de meteorológicos estarão suspensos.
12/06/2024 às 10:06
Inquérito da PF conclui, novamente, que Adélio Bispo agiu sozinho ao atacar Bolsonaro
A conclusão foi exposta, em nota, pela corporação após novas investigações do caso
12/06/2024 às 08:42
Câmara acelera PL que permite suspender mandato de “brigões”
As medidas incluem a suspensão do mandato por até seis meses
12/06/2024 às 08:38
PIX deverá ter opção de pagamento por aproximação de celular, diz presidente do Banco Central
Roberto Campos Neto também defende diálogo entre países para que se avance em uma integração global de sistemas
12/06/2024 às 08:33
Nattan se machuca após se jogar na plateia durante show; veja vídeo
Show do cantor registrou o maior público da história do São João de Campina Grande
11/06/2024 às 15:23
Ensino médio pode ter maior carga horária, prevê relatório de senadora
Texto sugere, ainda, ensino da língua espanhola
11/06/2024 às 14:52
Revalida: inscrições para provas de habilidades clínicas terminam hoje
Testes serão aplicados nos dias 20 e 21 de julho
11/06/2024 às 12:42
Inflação de maio sobe para 0,46%, influenciada pelos alimentos
Calamidade no Rio Grande do Sul pressionou IPCA
11/06/2024 às 12:18
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.