BUSCAR
BUSCAR
Impacto

Pandemia faz países fecharem 2020 com nível recorde de endividamento

Governos e bancos centrais despejaram montanhas de dinheiro em suas economias para tentar minimizar o impacto econômico da covid-19, e isso teve como consequência, na maior parte dos casos, o aumento das dívidas
Estadão
02/01/2021 | 07:36

A pandemia da covid-19 fez com que os países terminassem 2020 com níveis de endividamento recorde e com muitas dúvidas sobre como esse problema poderá ser resolvido. Para a economista-chefe do Banco Mundial, Carmen Reinhart, esse quadro pode desembocar em uma crise financeira global. “O cenário em que nos encontramos não é sustentável”, disse.

Ao longo deste ano, governos e bancos centrais despejaram montanhas de dinheiro em suas economias para tentar minimizar o impacto econômico da covid-19, e isso teve como consequência, na maior parte dos casos, o aumento das dívidas. E essa situação ocorre em um quadro em que as diferentes projeções para a atividade global de 2020 giram em torno de uma contração de 3%, o que automaticamente ajuda a elevar os índices de endividamento.

Governo anuncia nesta quarta-feira plano nacional de vacinação contra covid-19
Por conta do grande volume de recursos desembolsados para minimizar os estragos provocados pela covid-19, dívida dos países teve forte alta. Foto: Dado Ruvic/Reuters

De acordo com o Debtclock, um site americano que registra o endividamento de alguns países, a relação dívida bruta pública em relação ao produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos estava em 100,79% – ultrapassando a casa dos 100%, o que não ocorria desde a 2.ª Guerra Mundial. Esse aumento é resultado direto dos gigantescos pacotes da ajuda aprovados como uma tentativa de minimizar o impacto da pandemia. Na década de 1960, essa dívida girava na casa dos 30% do PIB.

Além da maior economia do mundo, merecem destaque também a relação entre dívida bruta e PIB exibida pelo Japão (269,62%), Grécia (233,28%), Reino Unido (108,08%), França (116,35%), Itália (162,30%) e Canadá (109,72%) – ou seja, todos com endividamento maior que a produção doméstica. Entre os emergentes, os níveis são historicamente mais baixos por causa das condições internas da economia dos países, mas o patamar de países como Argentina (73,91%) e México (72,88%) também preocupa. No caso do Brasil, pela estimativa do governo federal, a dívida deve terminar o ano em 91% do PIB – no final do ano passado, estava em 74,3%.

Débitos


Um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou que 90% dos países avançados estão com nível de endividamento muito maior agora do que na última recessão global, a chamada crise financeira internacional, que começou em 2007 e perdurou até meados de 2009. “Está todo mundo quebrado agora, até mesmo o G-7. Ou melhor: especialmente, o G-7”, disse ao Estadão/Broadcast o professor convidado em Relações Internacionais na London School of Economics (LSE) e ex-professor de estudos diplomáticos na Universidade de Oxford, Tristen Naylor.

Se a situação financeira está complicada para os países mais ricos, o cenário não é diferente para os de baixa renda. Nos últimos meses, em meio a muitas discordâncias entre EUA, União Europeia (UE) e China, o grupo das 20 economias mais ricas do mundo (G-20), do qual o Brasil faz parte, decidiu suspender a cobrança do serviço das dívidas dessas nações. O programa, por enquanto, tem duração até junho deste ano. Há ainda chances de ser prorrogado.

Apenas à China, seria reembolsado este ano 60% de todo o valor. O grande debate dentro do G-20 é o de que o país asiático fez muitos empréstimos a países em desenvolvimento com condições que não são transparentes e com taxas de juros mais altas do que as que poderiam pagar. Segundo o FMI, os governos de mercados emergentes emitiram US$ 124 bilhões em dívidas em 2020, com dois terços dos empréstimos no segundo trimestre, auge da pandemia para muitos deles.

As crescentes pressões orçamentárias foram acompanhadas por uma nova onda de rebaixamentos da dívida soberana, o que amplia o risco para os credores. Tudo isso leva a crer que o assunto permanecerá em pauta constante ao longo de 2021. Uma das entidades que mais devem debater o tema é o G-20, que, curiosamente, passou a ser presidida em 1.º de dezembro pela Itália, país que já era alvo de críticas dos demais membros da UE por causa de descontrole fiscal mesmo antes da pandemia.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Apostas movimentam 1% do PIB e comprometem até 20% do orçamento livre dos mais pobres, diz estudo
XP mostra que setor movimenta R$ 100 bilhões no Brasil e, proporcionalmente, é maior que nos EUA, onde apostas somam 0,4% do PIB
20/06/2024 às 19:30
Dólar vai a R$ 5,46 e renova máxima desde julho de 2022 após críticas de Lula ao BC
Banco Central encerrou um ciclo de sete cortes consecutivos na taxa Selic
20/06/2024 às 18:36
Lula lamenta manutenção da taxa básica de juros: “Quem perde é o Brasil”
Lula ainda criticou a autonomia do BC, que por lei assegura mandatos a seus diretores
20/06/2024 às 16:28
País tinha 9,4 milhões de empresas em 2022, mostra pesquisa do IBGE
Salário médio mensal foi R$ 3.542,19
20/06/2024 às 10:21
Mercado de inovação e startups para 60+cresceu no RN de 2020 a 2023, aponta mapeamento feito pelo Sebrae-RN
Empreendedorismo é uma das oportunidades para 60+ aliando experiência e tecnologia
20/06/2024 às 08:23
BC contraria Lula, interrompe sequência de cortes e mantém taxa de juros a 10,5%
Em entrevista, Lula disse que Roberto Campos Neto não demonstra capacidade de autonomia, tem lado político e trabalha para prejudicar o País
20/06/2024 às 07:50
Copom interrompe cortes e mantém juros básicos em 10,5% ao ano
Fim das reduções da Taxa Selic era esperado pelo mercado financeiro
19/06/2024 às 18:49
Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 3
Com adicionais, valor médio do benefício está em R$ 683,75
19/06/2024 às 10:24
Autonomia do BC aumentou credibilidade na política monetária, diz Lira
Falas de Lira vem em meio às críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra o presidente do BC, Roberto Campos Neto
18/06/2024 às 17:54
Haddad e Tebet relatam preocupação de Lula com alta de subsídios
Renúncias fiscais e benefícios financeiros atingiram R$ 646 bi em 2023
17/06/2024 às 19:26
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.