BUSCAR
BUSCAR
Decisão
Réveillon: orla de Natal pode ser fechada em caso de aglomerações
Caso sejam flagradas aglomerações ao longo da orla da capital potiguar, agentes municipais de trânsito deverão fechar os acessos às praias
Redação
31/12/2020 | 07:01

Por causa da pandemia da Covid-19, os quiosques instalados nas praias de Natal poderão funcionar somente até às 18h desta quinta-feira 31. Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), a instalação de mesas e cadeiras estará proibida neste réveillon. Caso sejam flagradas aglomerações ao longo da orla, agentes municipais de trânsito deverão fechar os acessos às praias.

De acordo a Prefeitura de Natal, seguem proibidos os eventos privados com mais de 50 pessoas. Também está cancelada a tradicional queima de fogos patrocinada pelo poder público na virada de ano para 2021. Em caso de constatação de inconformidades, incluindo possível superlotação durante o réveillon, será realiza a interdição total do espaço e o proprietário receberá multa máxima, podendo chegar a R$ 40 mil, além de ser feito uma denúncia ao Ministério Público por desobediência, crime ambiental e contra à saúde pública.

Para combater as aglomerações, a Prefeitura de Natal e o Governo do Estado articularam uma operação definida junto a Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social de Natal (Semdes) e a Secretaria de Segurança do RN (Sesed).

As forças do poder municipal e estadual vão atuar em conjunto, assim como ocorreu durante os quatro dias do feriadão natalino, onde a Semdes, Guarda Municipal, Defesa Civil, Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Semurb, STTU e Semsur agiram juntas combatendo transgressões às normas sanitárias estabelecidas pelo decreto municipal de prevenção e combate ao coronavírus na cidade. A secretária da Semdes, Mônica Santos, informou que a operação deve ser intensa.

Estaremos com dezenas de guardas, policiais e fiscais nas ruas cobrindo os principais corredores de bares e restaurantes de toda a cidade, inclusive a orla que vai de Ponta Negra à Redinha. Teremos uma delegacia móvel somente para autuar casos de desrespeito aos decretos e receberemos denúncias pelo Ciosp e pelo contato da Semdes, agindo em todas as horas do dia e da noite para proteger a saúde pública”, ressaltou.

A operação vai seguir até a madrugada da segunda-feira 4. Na prática os fiscais averíguam todos os itens determinados nos decretos municipais que apontam para o distanciamento entre mesas e cadeiras, quantidade máxima de pessoas no estabelecimento, uso de máscaras de proteção facial, acesso a álcool gel 70% para clientes e funcionários, aferição da temperatura na entrada do estabelecimento, entre outras.

“Teremos agentes de segurança suficientes. Além disso, contamos com a ajuda das guardas municipais, agentes de trânsito, além de câmeras de monitoramento que irão auxiliar os nossos policiais”, pontuou o secretário da Sesed, coronel Francisco Araújo Silva.

“É importante alertar que qualquer tipo de aglomeração será impedida pelas equipes policiais. Vamos patrulhar toda a cidade e contamos com a colaboração da população para denunciar os que tentarem desrespeitar as normas legais”, comentou o comandante da Guarda Municipal do Natal, Alberfran Grilo.

A GMN deve manter 22 viaturas à disposição do trabalho de fiscalização e um efetivo de guardas municipais escalados no serviço regular com reforço de agentes que estão de folga disponibilizando diárias operacionais para ampliar a contribuição da corporação nas ações de fiscalização. O cidadão pode ajudar denunciando pelo número (84) 9 9917-0591. A Seded também dispõe do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública, o CIOSP, que atende 24 horas pelo 190. A ligação é gratuita.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.