BUSCAR
BUSCAR
Decisivo
Olimpíada: Para superar recorde da Rio-2016, Brasil precisa de reta final ‘quase perfeita’
País precisa vencer quatro das cinco maiores chances de ouro para bater marca da edição passada, em que conquistou sete vezes o topo do pódio
O Globo
06/08/2021 | 18:03

A dois dias do encerramento dos Jogos de Tóquio, o Brasil se depara com a chance de superar a marca inédita que teve na Rio-2016, quando arrebatou sete medalhas de ouro — nesta edição, tem quatro. Para ultrapassar esse número, o país precisará de um desempenho quase perfeito e triunfar em pelo menos quatro das cinco disputas com maior chance de medalha que tem pela frente.

O fardo da marca inédita está com as seleções masculina de futebol e feminina de vôlei e os boxeadores Beatriz Ferreira (peso leve) e Hebert Conceição (peso médio), todos garantidos nas finais de suas modalidades. Isaquias Queiroz disputa a semifinal da canoagem nesta noite (sexta-feira no Brasil) e é a quinta grande promessa de ouro.

A seleção masculina de futebol enfrenta a Espanha às 8h30 deste sábado, horário de Brasília, no estádio de Yokohama — o mesmo que sediou a grande final da Copa do Mundo de 2002 entre Alemanha e Brasil e foi palco do pentacampeonato brasileiro. Atual campeã olímpica, a seleção chega para o duelo com desempenho similar ao dos espanhóis: ambas as equipes estão invictas, com três vitórias, dois empates, oito gols marcados e três sofridos.

No boxe, Hebert Conceição sobe no ringue contra o ucraniano Oleksandr Khyshniak às 2h45 do sábado, e Beatriz Ferreira pega a irlandesa Kellie Anne Harrington na madrugada do domingo, às 2h. É a primeira vez que a seleção brasileira tem dois pugilistas em finais na mesma edição dos Jogos. Em 2012, o Brasil foi a uma final, com o peso médio Esquiva Falcão, que ficou com a prata. Na edição seguinte, Robson Conceição obteve o ouro inédito.

E, no vôlei feminino, o Brasil encara os Estados Unidos à 1h30 do domingo. O histórico é favorável à seleção brasileira: será a terceira edição de um duelo que até agora só teve triunfo brasileiro. Em 2008 e em 2012, as brasileiras disputaram a final com as americanas e, nas duas decisões, levaram a melhor por 3 sets a 1. Em 2000, as duas seleções se enfrentaram na disputa pelo bronze, e novamente as brasileiras impuseram derrota às americanas.

Nesta sexta-feira, com a vitória da seleção feminina de vôlei na semifinal por 3 sets a 0 sobre a Coreia do Sul, o Brasil ultrapassou virtualmente a inédita quantidade de medalhas conquistadas nos Jogos do Rio (19): as quatro finais confirmadas até o fim da competição asseguraram também quatro pódios.

O Brasil ainda disputa a maratona e o salto por equipes no hipismo, com menores pretensões de pódio.

Melhores desempenhos do Brasil nas Olimpíadas

Rio-2016

  • 7 ouros
  • 6 pratas
  • 6 bronzes
  • Total: 19

Tóquio-2020

  • 4 ouros
  • 4 pratas
  • 8 bronzes
  • Total: 16(20)*

Atenas-2004

5 ouros

2 pratas

3 bronzes

Total: 10

Londres-2012

3 ouros

5 pratas

9 bronzes

Total: 17

Pequim-2008

3 ouros

4 pratas

10 bronzes

Total: 17

Atlanta-1996

3 ouros

3 pratas

9 bronzes

Total: 15

Barcelona-1992

2 ouros

1 prata

0 bronze

Total: 3

*O Brasil chegará a no mínimo 20 pódios, pois já tem mais medalhas garantidas em quatro modalidades.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - redacao@agorarn.com.br
Comercial: (84) 98117-1718 - publica@agorarn.com.br
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.