BUSCAR
BUSCAR
Entenda
Novo Fiat Argo chega causando polêmica por causa do nome
Argo é um nome da mitologia grega, e também batiza uma constelação, mas bastou a Fiat informar que esse seria o nome de seu novo hatch para começarem as piadas
Por Redação
05/05/2017 | 18:00

Bastou a Fiat anunciar que seu próximo lançamento no Brasil se chamará Argo para o assunto ganhar repercussão imediata nas redes sociais – e de forma nada positiva. Pouca gente fez associação à nau argo, que, segundo a mitologia grega, levou uma tripulação (os argonautas) em busca do Velo de Ouro. Tampouco houve referências à constelação de mesmo nome. O que ganhou espaço foram os trocadilhos e as piadas. Muitos disseram que “argo” deu errado no momento do batismo do carro. O modelo, a propósito, é um hatch médio que será lançado neste mês para substituir ao mesmo tempo o Punto e o Bravo.

Dar nome a um carro não é tarefa simples, e por isso normalmente a função fica a cargo de uma equipe. No caso do Argo, o grupo responsável pela escolha era formado por cerca de 12 pessoas de várias áreas, e não apenas funcionários da montadora. Mesmo dentro da equipe, não houve consenso em torno do nome escolhido, diz a especialista de pesquisa de mercado da Fiat Cely Cordeiro.

Ela conta que o trabalho começa com uma explicação sobre as características do produto. De posse das informações, a equipe entra em uma fase chamada de “imersão”, quando começam a surgir as primeiras ideias. Cely diz que cada sugestão deve ser acompanhada de uma “defesa” que a sustente.

No fim do processo, surgem cerca de dez opções. A pesquisadora não revela quais foram os outros nove nomes porque, segundo ela, eles podem ser utilizados para batizar futuros veículos ou versões.

Ela cita como exemplo os nomes Mobi, Drive e Easy. Todos ficaram entre os finalistas para batizar o subcompacto lançado há um ano. Dois dos que que não foram escolhidos tornaram-se nomes de versões.

Segundo informações da Fiat, há algumas regras que devem ser seguidas. O nome deve ser simples e soar bem (pelo menos nos países onde o produto será vendido).

No entanto, apesar desses cuidados, as coisas podem sair errado. No passado, a Mazda teve um carro chamado Laputa e nos Estados Unidos houve um Ford batizado de Pinto. Por motivos óbvios, nenhum dos dois poderia ser vendido no Brasil.

Às vezes as marcas rebatizam seus carros para adequá-los ao idioma local. Como nos países de língua espanhola o termo Pajero é uma gíria com conotação sexual, o utilitário-esportivo da Mitsubishi foi renomeado como Montero.

Há até caso de marca rebatizada. No Brasil, a chinesa Chana chegou em 2006, mas em 2011 seu nome mudou para Changang, para afastar a conotação pejorativa.

Já a van Kia Besta sobreviveu às chacotas. Originalmente, o modelo se chamava “Best A”, algo que deveria significar “a melhor”, em adaptação livre. Uma fonte ligada à marca informa que foram feitas clínicas para definir se seria o caso de rebatizar o carro, mas o nome foi mantido pelo seu significado relacionado a trabalho (característica da van sul-coreana).

Tirando os casos extremos, o nome não interfere no êxito comercial de um automóvel. Etios e estão aí para comprovar isso.

No período pós-lançamento, o Toyota vendia mal por causa de problemas relacionados a estilo e acabamento. A partir das mudanças feitas em 2016, os emplacamentos do compacto começaram a reagir.

O mesmo ocorreu com o Renault, atualmente o modelo mais vendido da marca e o quarto veículo mais emplacado em abril, atrás apenas de Chevrolet Onix, Hyundai HB20 e Ford Ka.

 

 

Fonte: Jornal do Carro

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.