BUSCAR
BUSCAR
Ney Lopes
Ney Lopes: Israel pode perder a guerra
Confira a coluna de Ney Lopes desta terça-feira 12
Ney Lopes
12/12/2023 | 08:36

Jon Alterman, do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais em Washington, DC, publicou uma análise intitulada “Israel pode perder” a guerra contra o Hamas. Pelo que se acompanha na mídia, parece afirmação absurda. Mas, realmente não é.

Confesso ser admirador de Israel como povo inovador, que alcançou significativos avanços na ciência e tecnologia. Portanto, não demonizo Israel. Apenas, não se inclui na minha admiração a figura de Benjamin “Bibi” Netanyahu, o atual primeiro ministro, um belicista, antidemocrata e com inúmeros acusações na justiça. Ele é o responsável pela verdadeira carnificina na faixa de Gaza, atingindo além do Hamas, milhares de civis que fogem de casa, diante da disseminação do terror.

Não é negada total condenação ao ataque mortífero do Hamas contra Israel, a 7 de outubro, bem como ao “direito de autodefesa” do Estado israelense. Entretanto, as regras internacionais impõem moderação e cuidado com a população civil. Isso não vem ocorrendo. Os números em alta desproporção mostram grave crise humanitária. Para o Hamas, 18.007 mortos, 70% dos quais mulheres e crianças, e pelo menos 49.229 feridos. Para Israel, 430 mortes e 1.593 feridos.

Vem a indagação: como neste contexto, Israel poderá perder a guerra? O Hamas teria consciência de que não ganharia o confronto, porém aumentaria o isolamento de Israel dos países árabes no mundo e complicaria suas relações com os Estados Unidos e a Europa. O Hamas vê a vitória a longo prazo, com o aumento da solidariedade à Palestina.

Há poucos exemplos históricos de Israel usando com sucesso a força esmagadora para destruir seus inimigos. Em 1982, invadiu o Líbano para destruir a Organização de Libertação da Palestina. Não atingiu o objetivo e assinou acordos de paz com a OLP. Em 2006, Israel voltou a entrar em guerra contra o Hezbollah, que voltou mais forte nos anos seguintes. Também travou três grandes guerras contra o Hamas, desde 2008, nenhuma das quais impediu a sobrevivência do grupo.

No momento, é impensável não admitir a vitória de Israel. As únicas questões são em que prazo e a que custo. Há exemplos dos americanos, que terminaram os combates no Líbano, na Somália e no Haiti, sem vitórias claras. As guerras pós-11 de setembro no Iraque, no Afeganistão e na zona fronteiriça entre a Síria e o Iraque foram esforços sérios, que não conseguiram garantir a vitória.

Os gritos globais são para paralisar os combates, diante da ferocidade militar de Israel, nunca vista nas últimas décadas. O Conselho de Cooperação do Golfo considera Israel culpado de genocídio contra os palestinos. É composto por Bahrein, Kuwait, Omã, Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. A verdade é que a solução somente surgirá quando existirem dois Estados – um Estado israelense e um Estado palestino, lado a lado e em paz.

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.