BUSCAR
BUSCAR
Defesa do isolamento
“Não estou preocupada com eleição”, afirma Fátima sobre críticas à atuação na pandemia
Governadora do Rio Grande do Norte foi criticada por entidades do setor produtivo por fechar estabelecimentos comerciais como medida de prevenção ao novo coronavírus. Segundo ela, contudo, medidas foram amparadas na ciência e tiveram o objetivo de salvar vidas
Redação
10/08/2020 | 21:57

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, minimizou as críticas que recebeu de entidades do setor produtivo por defender o isolamento social mais rígido como medida para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus no Estado.

Durante uma live da “Iniciativa Alemã Lula Livre” nesta segunda-feira (10), a governadora reconheceu que tomou medidas impopulares durante a crise sanitária, mas afirmou que todas as suas ações foram fundamentadas na ciência e tiveram o único objetivo de salvar vidas.

“Fomos o último estado a retomar as atividades econômicas. Isso não era apenas uma questão de decisão da governadora. Era uma decisão dela sim, mas pautada na ciência. Se vai agradar, desagradar, se é popular, não é popular, não estou interessada nisso. Não estou preocupada com eleição de amanhã ou depois de amanhã. Estou consciente do meu papel enquanto governadora, que é necessário e imprescindível para preservar vidas humanas”, declarou.

A governadora potiguar ressaltou que “a pandemia não acabou”. Ela destacou que, apesar da estabilização nas estatísticas, o Brasil segue registrando um alto número de mortes provocadas pela Covid-19. Ela lamentou que o País tenha atingido, durante o fim de semana, a marca de mais de 100 mil óbitos por causa do coronavírus.

“Estamos nesse momento com a retomada das atividades, mas tudo de forma muito gradual, segura, responsável, com compromisso, para que não tenhamos uma segunda onda (de contaminações). Não adianta brincar com isso”, afirmou.

Desde março, para conter o avanço da Covid-19 no RN, Fátima determinou o fechamento de estabelecimentos comerciais e de indústrias e suspendeu aulas nas redes pública e privada de ensino. Somente na segunda quinzena do mês passado, a governadora autorizou a retomada das atividades econômicas, em várias fases. As aulas, contudo, seguem suspensas por tempo indeterminado.

Fátima também fez críticas ao Governo Federal. Segundo ela, as manifestações de “segmentos inconformados” com as medidas de isolamento – as únicas, segundo os cientistas, eficazes para conter o avanço da Covid-19 – foram motivadas por declarações do presidente Jair Bolsonaro.

“As piadas que o presidente fez foram infelizes e desastrosas. Dizer que isso era uma ‘gripezinha’… Não dá para fazer piada com isso de maneira nenhuma. A pandemia precisa ser encara com grau de complexidade, dramaticidade. Enquanto a vacina não vem, não adianta a gente se iludir. Não podemos negligenciar com as orientações da ciência”, complementou.

A governadora do Rio Grande do Norte criticou, ainda, o que chamou de falta de coordenação do Governo Federal durante a pandemia e a postura de confronto com os governadores que foi adotada por Bolsonaro durante o enfrentamento do coronavírus.

“O impacto em decorrência da pandemia poderia ser bem menor se a gente não tivesse uma conjuntura tão adversa. Temos um governo federal que não acredita, que deu as costas, que não é aliado e que despreza a ciência. É uma coisa inimaginável”, destacou a governadora, lamentando ainda que o País esteja há 87 dias com um ministro interino na Saúde – o general Eduardo Pazuello, em plena pandemia.

Desde o início da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro tem sido crítico das medidas de isolamento social decretadas por governadores e prefeitos. Segundo ele, os efeitos econômicos do fechamento das atividades econômicas podem ser mais prejudiciais do que os efeitos do próprio vírus.

“O presidente resolveu entrar em uma zona de conflito com os governadores do Brasil”, disse Fátima, sugerindo que Bolsonaro colocou as diferenças político-partidárias acima da estratégia de saúde para conter o coronavírus.

Fátima criticou, ainda, a recomendação de uso – pelo governo Bolsonaro – de medicamentos sem comprovação científica de eficácia contra a Covid-19. A governadora entende que a medida estimulou a desobediências às orientações científicas para conter a doença. “Ele (Bolsonaro) desprezou o isolamento, o distanciamento, estimulou o uso de medicação, como a cloroquina, como se fosse papel de político”, enfatizou.

Governadora defende “frente ampla” a favor da democracia

Perguntada sobre a atual conjuntura política no Brasil, deflagrada após o impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016, Fátima Bezerra respondeu que o momento exige a formação do que chamou de frente ampla em defesa da democracia. Assim como se posicionou enquanto senadora à época, a agora governadora voltou a classificar a cassação de Dilma, motivada por pedaladas fiscais, como “golpe”.

“Mais do que nunca, temos que fazer uma frente ampla em defesa da democracia. Temos que nos unir em defesa da democracia. Não deixar que prosperem os atos antidemocráticos. A gente não pode, não deve. Nossa geração sabe o que significou o período ditatorial. Não podemos deixar que a ditadura volte a se instalar oficialmente no Brasil. E essa frente tem que ser mais ampla, mais plural”, argumentou.

Ao defender a formação de uma frente ampla, Fátima sugeriu que apoia a união do seu partido, o PT, a outras siglas para derrotar Bolsonaro em 2022. A medida tem encontrado certa resistência na maior liderança do partido, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que defende o protagonismo do PT nas disputas. Fátima não entrou em detalhes. E concluiu: “Eu acho que, com isso, não se pode brincar. As nossas diferenças devem aparecer na disputa político-eleitoral”.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Av. Hermes da Fonseca, N° 384 - Petrópolis, Natal/RN - CEP: 59020-000
Redação: (84) 3027-1690
[email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.