BUSCAR
BUSCAR
RN
Mulher surta após parto e arranca parte de dedo de médica com dentada em Mossoró
A dentada foi tão violenta que a cartilagem do dedo ficou exposta, sendo necessário encaminhar a profissional de saúde para o centro cirúrgico
Redação
23/10/2020 | 15:42

Uma médica teve parte do dedo arrancado após ser mordida por uma mulher que não se conformava com o fato de receber alta antes de seu bebê. O surto psicótico aconteceu na quarta-feira 21, no Hospital Maternidade Almeida Castro, em Mossoró.

Segundo a assessoria da unidade médica, a mulher deu à luz na madrugada da terça-feira 20, recebendo alta 36h após o procedimento, como normalmente acontece.

O bebê, entretanto, teve que ficar no hospital por 72h, pois estava com dificuldade de respirar e, por isso, precisava tomar medicação e ser monitorado por profissionais da saúde.

Ao ser informada da situação, a mulher ficou alterada, foi até o berçário onde o bebê estava e mordeu o dedo indicador da mão direita da médica obstetra que tentava acalmá-la.

A dentada foi tão violenta, de acordo com a assessoria, que a cartilagem do dedo ficou exposta, sendo necessário encaminhar a médica para o centro cirúrgico. Durante o procedimento, a ponta do dedo teve que ser removida em virtude da gravidade da mordida.

A mulher recebeu um ‘primeiro atendimento’ no hospital e, logo em seguida, foi direcionada para suporte psiquiátrico em outra unidade. O caso é tratado pelos médicos e demais envolvidos como surto psicótico, motivado por possível depressão pós-parto.

O bebê recebeu alta e está sob a tutela da mãe.

A médica também recebeu alta e, desde então, está afastada do trabalho. Ela registrou um boletim de ocorrência e o processo legal é acompanhado pela assessoria jurídica do hospital.

Em 2014, nesse mesmo hospital, uma mãe matou seu bebê de quarenta dias afogado em um balde. O recém-nascido estava na UTI, conforme informações repassadas pela assessoria.

O hospital, entretanto, revela que nunca teve os profissionais agredidos dessa forma.

Hospital emite nota

A Associação de Assistência e Proteção a Maternidade e a Infância de Mossoró (APAMIM), que administra o Hospital Maternidade Almeida Castro e o Hospital São Luiz, está sob intervenção da Justiça Federal desde outubro de 2014. A equipe que administra a APAMIM é uma Junta Interventora Federal.

A unidade faz uma média de 20 partos por dia, atendendo o público de partos de alto risco de todo oeste do RN, parte do Alto Sertão da Paraíba e região do Vale do Jaguaribe no Ceará.

Confira a nota:

“A Associação de Assistência e Proteção a Maternidade e a Infância de Mossoró – APAMIM esclarece que o incidente ocorrido do dia 21 de outubro relacionado a médica (…) se caracterizou como caso fortuito nunca ocorrido nas dependências do estabelecimento.

A APAMIM promoveu a devida assistência à saúde da profissional, uma vez que zela pela segurança dos profissionais atuantes em seu estabelecimento.

Demais disso, prontamente a APAMIM se reuniu com a empresa NGO com o fim de planejar medidas de gestão necessárias solucionar a problemática vivenciada.

À direção”

O que é depressão pós-parto?

A depressão pós-parto ocorre logo após o parto. Os sintomas incluem tristeza e desesperança. Muitas novas mães experimentam alterações de humor e crises de choro após o parto, que se desvanecem rapidamente.

Elas acontecem principalmente devido às alterações hormonais decorrentes do término da gravidez. No entanto, algumas mães experimentam esses sintomas com mais intensidade, dando origem à depressão pós-parto. Raramente, pode ocorrer uma forma extrema de depressão pós-parto, conhecida como psicose pós-parto.

Acreditava-se que somente as mães sofriam desse mal, no entanto, novos estudos mostram que elas também podem afetar os pais.

Depressão pós-parto não é uma falha de caráter ou uma fraqueza. Se você tem depressão pós-parto, o tratamento imediato pode ajudar a gerir os seus sintomas e desfrutar de seu bebê.

Diferença entre baby blues e depressão pós-parto

Pode acontecer de o sentimento de melancolia se manifestar de forma intensa e desmedida, fazendo com que a mãe sinta-se desmotivada diante da vida e não tenha força para lidar com a nova rotina. Nesse caso pode ser que ela esteja com um quadro de depressão pós-parto.

De acordo com a psicóloga Silvia Sueli de souza Maia, professora do curso de Psicologia da Universidade Univeritas/UNG, os custos emocionais ligados à depressão pós-parto fazem com que a mãe interaja menos com a criança.

Da mesma forma, sintomas como irritabilidade, choro frequente, sentimentos de desamparo e desesperança, diminuição da energia e motivação, desinteresse sexual, transtornos alimentares e do sono, ansiedade e sentimentos de incapacidade de lidar com situações novas são emocionalmente potencializadas.

A principal causa da depressão pós-parto é também o enorme desequilíbrio de hormônios reprodutivos no pós-parto. Além disso, a privação de sono, isolamento, alimentação inadequada e falta de apoio do parceiro também podem potencializar esses fatores.

Causas

Não há uma única causa para depressão pós-parto. Fatores físicos, emocionais e de estilo de vida podem influenciar de alguma forma no surgimento da doença.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.