BUSCAR
BUSCAR
Violência
Mulher é absolvida após matar esposa em briga por falta de drogas
Vítima levou facada da mulher na coxa esquerda, que atingiu artéria femoral e provocou grande sangramento; júri considerou legítima defesa
Metrópoles
17/08/2021 | 13:22

Uma mulher acusada de matar a esposa durante uma briga por causa da abstinência de droga foi absolvida por júri popular na segunda-feira 16, na capital goiana. Os jurados entenderam que a ré agiu em legítima defesa. Por isso, o caso será arquivado.

Segundo o Ministério Público de Goiás (MPGO), a acusada Maria Pureza Angélica de Santana, de 54 anos, morava com a esposa, Irineuza Aparecida dos Santos Santana. As duas eram usuárias de drogas.

De acordo com a denúncia, na madrugada do dia 22 de julho de 2018, devido à falta de droga, Irineuza teve uma crise nervosa e ficou agressiva. Em seguida, ela e Maria Pureza começaram a brigar.

No meio da discussão, Maria Pureza pegou uma faca e deu um golpe na coxa esquerda da vítima, que atingiu a artéria femoral e provocou um grande sangramento nela. Ainda segundo as investigações, mesmo vendo a gravidade do ferimento, Maria não chamou socorro.

Na sessão presidida pelo juiz Jesseir Coelho de Alcântara, o Ministério Público pediu que houvesse a desqualificação do crime de homicídio para lesão corporal seguida de morte. Já a defesa argumentou que a acusada deveria ser totalmente absolvida, por ter agido em legítima defesa.

Os jurados consideraram que Maria Pureza foi a autora do crime e não aceitaram que ele passasse a ser considerado como lesão corporal seguida de morte. Em seguida, no entanto, votaram pela absolvição da mulher.

Metrópoles não localizou a defesa de Maria.

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - [email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.