BUSCAR
BUSCAR
Inusitado
Mulher acha cobra coral em saco de laranjas comprado em ‘atacadão’
Mulher contou que pediu ajuda de funcionário para carregar o saco enquanto ela pagava pelas compras. Quando chegou em casa, a funcionária da casa estava retirando as laranjas do saco quando a cobra começou a se mexer
Redação/R7
23/09/2020 | 13:23

Uma mulher encontrou uma cobra coral dentro de um saco de 18kg de laranjas comprado em um atacadão em Mogi das Cruzes, na grande de São Paulo. Segundo a mulher, identificada como Lorene, as compras ficaram ao lado do filho dela, de 10 anos, durante todo o caminho de volta para a casa da família. As informações são do R7.

Lorene contou que, por ser muito pesado, ela pediu ajuda de funcionário para carregar o saco enquanto ela pagava pelas compras. Quando chegou em casa, a funcionária da casa estava retirando as laranjas do saco quando a cobra começou a se mexer.

Como as laranjas ficaram o tempo todo do lado do filho dela no carro, as chances do garoto ter sido picado eram grandes. Apesar do susto, Lorene decidiu manter a cobra viva e colocou o animal dentro de uma garrafa pet com a ajuda de um vizinho.

Agora, ela vai comunicar a polícia ambiental e o Centro de Controle de Zoonoses de Mogi das Cruzes para recolherem a cobra, e depois fará um boletim de ocorrência. De acordo com o diretor do museu biológico do Instituto Butantã, a atitude de Lorene foi a correta. A recomendação nesses casos é aprisionar a cobra em algum tipo de recipiente, mesmo em casos de animais maiores.

Ainda segundo o diretor, a cobra se trata de uma falsa coral, uma espécie que não é venenosa. Mesmo assim, o advogado de Lorene vai entrar com uma ação na justiça por danos morais.

*Com informações do R7

Sede: Av. Hermes da Fonseca, 384 – Petropolis – Natal – RN – Cep. 59020-000
Telefone: (84) 3027-1690 / 3027-4415
Redação: (84) 98117-5384 - reda[email protected]
Comercial: (84) 98117-1718 - [email protected]
Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.