BUSCAR
BUSCAR
Jovens
Metade dos jovens das famílias mais pobres do país não estuda nem trabalha, aponta IBGE
Pela primeira vez, IBGE mapeou os nem-nem por faixa de renda. Entre os 10% mais ricos, apenas 7,1% dos brasileiros de 15 a 29 anos estão nesta situação. Na baixa renda, houve piora nos últimos anos
Redação
06/12/2023 | 19:29

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que 49,3% dos jovens de 15 a 29 anos das famílias mais pobres do país não estão estudando nem trabalhando. Essa parcela representa os 10% dos domicílios com renda domiciliar per capita média de até R$ 163 por mês. Em contraste, nas famílias dos 10% mais ricos, essa proporção é de apenas 7,1%, conforme dados da pesquisa Síntese dos Indicadores Sociais (SIS) divulgada nesta quarta-feira pelo IBGE.

Enquanto a parcela de jovens nem-nem nas famílias mais ricas diminuiu ao longo da última década, nas famílias mais pobres, a situação se agravou. Em 2012, 41,9% dos jovens nessas condições estavam nessa situação, enquanto em 2022, esse número saltou para 49,3%. No geral, a pesquisa destaca que cerca de 22% dos jovens brasileiros de 15 a 29 anos estavam nessa situação em 2022, totalizando 10,9 milhões de pessoas, o menor valor absoluto desde 2012 e o melhor resultado percentual desde 2014.

O levantamento também evidencia disparidades de gênero e raça, destacando que principalmente jovens pretas ou pardas (43,3%) estão nessa condição, seguidas por homens pretos ou pardos (24,3%). Mulheres brancas (20,1%) e homens brancos (11,4%) compõem as taxas mais baixas. A maternidade precoce, afazeres domésticos e a necessidade de cuidar de parentes são apontados como principais motivos para essa diferença, afetando mais as meninas e mulheres, afastando-as da escola e do mercado de trabalho.

Com informações do jornal O Globo

Copyright Grupo Agora RN. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização prévia.